“O operário ganha 200 vezes menos que os gerentes e ninguém se revolta”, denuncia Romano Prodi, ex-primeiro ministro da Itália

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • O que significa ser padre hoje? Artigo de Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Jacques Dupuis: um caso aberto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Novembro 2018

Neste momento histórico, cabe se perguntar "qual seria o verdadeiro poder político na fase da globalização que tirou da política os instrumentos para agir". Quem disse isso, falando na apresentação do livro “Il valore di tutto” (O valor de tudo), de Mariana Mazzucato, foi o ex-presidente do Conselho e da Comissão Europeia, Romano Prodi.

A informação foi publicada por La Repubblica, 20-11-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Um dos tópicos do debate, moderado por Massimo Giannini, foi a diferença salarial entre gerentes e funcionários de grandes empresas globais. "Hoje - argumentou o ex-primeiro-ministro – há uma tendência a justificar que a diferença de salário entre quem dirige a empresa e o operário padrão seja de 200 vezes, e ninguém fala nada; aceitamos coisas que 30 anos atrás não teríamos de forma alguma aceitado".

Nestes tempos "acusa-se a Europa, porque a Europa não faz nada. Quando fazia política as pessoas não estavam contra a Europa: podemos salvá-la se as próximas eleições forem eleições políticas" e não a ocasião para "enviar os ‘perdedores’ das eleições nacionais".

"O Partido Popular Europeu - observou - é o partido mais amplo: poderia nascer uma belíssima batalha política se os outros, liberais, socialistas e verdes se reunissem. Se houver eleições europeias com uma batalha política - acrescentou Prodi - quem vencer tem uma delegação europeia, não nacional. Precisamos da Europa porque a China e os EUA estão nos massacrando: vamos voltar à política".

De acordo com Prodi, mais uma vez, "a União Europeia tornou-se impopular porque o poder passou da Comissão ao Conselho que representa os países individuais. E - ele concluiu - quando se passa para os Estados individuais quem comanda é o maior".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O operário ganha 200 vezes menos que os gerentes e ninguém se revolta”, denuncia Romano Prodi, ex-primeiro ministro da Itália - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV