Arcebispo de BH apresenta decálogo de princípios para orientar o voto cristão

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Outubro 2018

O arcebispo de Belo Horizonte (MG) dom Walmor Oliveira Azevedo junto a seus bispos auxiliares apresentaram, dia 17 de outubro, uma carta com orientações e critérios que auxiliam eleitores na definição de seus candidatos, neste segundo turno das Eleições 2018. A carta, com o título “Bem-aventurados os que promovem a paz”, traz 10 princípios que precisam ser analisados antes da votação.

A informação é publicada por CNBB, 19-10-2018.

Durante a apresentação, dom Walmor afirmou que a carta “é um convite para que lancemos o nosso olhar sobre a sociedade brasileira, onde estamos vendo extremismos e situações de polarizações. Conforme explicou o arcebispo, “precisamos reagir à luz de valores e princípios”.

Segundo ele estamos passando por um momento grave e delicado, fato que pede reflexão e oração à luz do Evangelho: “Se a sociedade brasileira não se deixar iluminar, e esta é a grande convocação, por critérios que antecedem a partidarização, corre-se o risco de pensar que alguém, uma pessoa, vai resolver o problema”.

Reafirmando que a Igreja não indica candidatos, dom Walmor ressaltou que “todos os cidadãos e cidadãs têm o direito de fazer suas escolhas e a Igreja trabalha para mostrar os princípios que precisam ser defendidos nesse processo de definição”.

O arcebispo da Arquidiocese de Belo Horizonte reforçou que Igreja não faz campanha política. “Se alguém o faz está na contramão daquilo que de fato a Igreja pensa e faz. A nossa Igreja não faz opção partidária para esse ou aquele candidato. Cada cidadão tem o seu direito e liberdade de fazer sua escolha”.

O religioso lembrou que os bispos e padres também são cidadãos, também vão às urnas votar, mas nenhum pode, em nome da Igreja e como Igreja, demonstrar que é partidária de um ou outro candidato.

Por fim, dom Walmor lembrou do Sermão da Montanha e a sua importância na avaliação das candidaturas: “Se nos reportarmos ao Evangelho de Mateus, para pensar, em vez de nos banharmos em ideologias partidárias, faremos um caminho de qualidade e qualificaremos a nossa cidadania para participarmos dessa reconstrução que o Brasil precisa”.

O arcebispo defendeu que o caminho novo, necessário para a sociedade brasileira, com o seu conjunto de instituições, do qual a Igreja faz parte, é ajudar a população brasileira a ter uma nova consciência cidadã, para recompor o tecido da democracia, da participação e superar todo tipo de intolerância e discriminação.

Acesse aqui a Nota da Arquidiocese de BH.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arcebispo de BH apresenta decálogo de princípios para orientar o voto cristão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV