Água contaminada afeta quase 60% dos pacientes com doenças gástricas em Campina Grande

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • CNBB convida brasileiros a plantarem uma árvore no Dia de Finados em memória dos que se foram

    LER MAIS
  • O Papa, os Gays e o Ídolo da Doutrina Imutável

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Setembro 2018

"Mas no caso de surtos de doenças em populações, ocasionados por vetores veiculados pela água que está sendo ofertada, a questão muda de figura e precisa ser encarada sob outra ótica, porque, no caso, estão em jogo vidas humanas", escreve João Suassuna, Eng° Agrônomo e Pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, em artigo publicado por EcoDebate, 25-09-18.

Eis o artigo.

Meus Prezados,

Em 2016, publiquei um artigo no EcoDebate intitulado, “A questão hídrica atual do Nordeste seco”, no qual, dentre outras questões, abordei o assunto do acometimento de doenças em populações abastecidas com águas de má qualidade.

Nesse artigo, me referia às águas do Rio São Francisco, quando utilizadas para fins de abastecimento humano. Ao ler a matéria do G1 PB, me deparo com uma situação que já vinha tratando como certa, nas minhas atividades profissionais diárias. Segundo a matéria, cerca de 60% dos pacientes com doenças gástricas, em Campina Grande, foram afetados com algum contaminante existente nas águas ali servidas.

Ora, a principal fonte de abastecimento dos campinenses é o açude de Boqueirão de Cabaceiras, o qual foi alimentado, recentemente, com as águas do Santo Chico, por intermédio do projeto da Transposição. Uma coincidência muito grande, que eu particularmente não gostaria que tivesse ocorrido. Mas o fato é que ela ocorreu, e o assunto é grave! Quando um projeto dessa envergadura apresenta problemas técnicos, os engenheiros e profissionais da área vão lá e resolvem esses problemas.

Mas no caso de surtos de doenças em populações, ocasionados por vetores veiculados pela água que está sendo ofertada, a questão muda de figura e precisa ser encarada sob outra ótica, porque, no caso, estão em jogo vidas humanas. A questão de Boqueirão é agravada, ainda, pela existência de denúncias de fortes odores de esgotos e de sabores estranhos em suas águas, o que nos leva a concluir pela possibilidade de que as águas do Rio São Francisco já possam ter alguma influência nesse quadro.

Creio que acendeu a luz amarela para que as autoridades comecem a tomar as providências necessárias, na condução desse assunto, tendo em vista a possibilidade do agravamento da situação.

A região está fora de sua quadra chuvosa, o projeto da Transposição está momentaneamente paralisado, devido a reparos no Eixo Leste do projeto, e a represa continua enviando água para Acauã (açude localizado a sua jusante) e, todo esse processo, juntamente com a intensa evaporação existente no espelho d´água de Boqueirão, tende ao aumento da concentração de poluentes no interior da represa.

É preciso celeridade para a solução desses problemas, a fim de que os campinenses possam voltar à normalidade de suas vidas. Circulei a informação em rede e a encaminhei para edição no Observa Fundaj.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Água contaminada afeta quase 60% dos pacientes com doenças gástricas em Campina Grande - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV