Trabalhadores em condições análogas à escravidão são resgatados de fazenda no Pará

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Setembro 2018

Três trabalhadores foram resgatados no sudeste do Estado do Pará. Proprietário da área já havia sido autuado em 2016 pelas mesmas infrações em outras fazendas do grupo familiar.

A reportagem foi publicada por G1, 17-09-2018.

Três trabalhadores encontrados em condições análogas às de escravos foram resgatados no sudeste do Pará. Eles atuavam como vaqueiros e auxiliares de serviços gerais em uma fazenda de pecuária extensiva no município de São Félix do Xingu. Proprietário da terra já havia sido autuado pelo mesmo crime, em 2016. As informações foram divulgadas pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho, nesta segunda-feira (17).

Acampamento em situação precária abrigava trabalhadores resgatados em fazendo no Pará.  (Foto: Divulgação / Ministério do Trabalho)

A operação na região ocorreu entre os dias 3 e 13 de setembro. As vítimas viviam em alojamentos em condições precárias no meio da mata, sem água, instalações sanitárias e em local infestado de ratos.

“As condições eram impactantes. As paredes de área de vivência não tinham vedação e um grupo vivia no meio da mata, em barracas de plástico. O banho e necessidades fisiológicas eram realizados no meio da vegetação. A água para higiene e para o consumo pessoal era extraída, por baldes, de cisterna descoberta, havendo contaminação por folhas, sapos e insetos. O local de preparo de refeições era a céu aberto”, disse a coordenadora da ação, a auditora-fiscal Andreia Donin.

No total, 14 trabalhadores foram identificados sem registro, e um menor, que atuava na aplicação de veneno, foi afastado da função. Donin acredita que o número de resgatados poderia ser maior. “Ao presenciar a chegada do Grupo Móvel o empregador deu ordens para abandono dos alojamentos pelos empregados, demonstrando que conhecia a ilegalidade dos seus atos”, explica.

Ao todo, a propriedade recebeu 57 autuações por descumprimento de obrigações trabalhistas e de segurança do trabalho . O proprietário da área já havia sido autuado em 2016 pelas mesmas infrações em outras fazendas do grupo familiar. Na época, 12 trabalhadores foram resgatados em condições análogas à de escravo.

A Defensoria Pública Federal vai ajuizar ação trabalhista, com expectativa de contemplar o pedido de reparação por danos morais. O Ministério Público do Trabalho executará um Termo de Ajustamento de Conduta resultante de fiscalização realizada nas propriedades do empregador em 2016.

Difícil acesso

A fazenda fica em uma área de difícil acesso e restrição de sinal para garantir comunicação. Existe apenas acesso a telefone celular e internet em um vilarejo distante mais de 20 quilômetros da propriedade. O percurso era feito a pé pelos trabalhadores que precisavam pagar R$ 10 por hora pelo sinal wi-fi.

A área urbana mais próxima da fazendo é no município de Tucumã, a mais de 130 quilômetreos de distância. No alojamento dos trabalhadores, os barracos abandonados no meio da mata eram de lona plástica apoiada em galhos de árvores fincados no chão, sem nenhuma proteção lateral. “Não havia no local nenhuma iluminação artificial ou energia elétrica, tampouco água potável”, disse Andreia Donin.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Trabalhadores em condições análogas à escravidão são resgatados de fazenda no Pará - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV