Imagens de satélite registram um mundo em chamas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco nomeia novo secretário: um padre que trabalha com crianças de rua e viciados em drogas

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS
  • O papa aprova como vice Decano o argentino Sandri que se calou sobre os crimes do padre Maciel, estuprador de 60 crianças

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Agosto 2018

O mundo está em chamas. É que aparece na imagem da Worldview da NASA. Os pontos vermelhos sobrepostos na imagem designam aquelas áreas que, usando bandas térmicas, detectam ativamente incêndios.

A reportagem é de Lynn Jenner, publicada por EcoDebate, 24-08-2018. A tradução e edição é de Henrique Cortez.

Cortesia de imagem: Visão de mundo da NASA, Sistema de dados e informações do Sistema de Observação da Terra (EOSDIS)

A África parece ter os fogos mais concentrados. Isto pode ser devido ao fato de que estes são os incêndios agrícolas mais prováveis. A localização, a natureza generalizada e o número de incêndios sugerem que esses incêndios foram deliberadamente estabelecidos para administrar a terra. Os agricultores costumam usar fogo para devolver os nutrientes ao solo e limpar o solo de plantas indesejáveis. Enquanto o fogo ajuda a melhorar as culturas e pastagens, o fogo também produz fumaça que degrada a qualidade do ar.

Em outros lugares, os incêndios, como na América do Norte, são incêndios florestais em sua maior parte. Na América do Sul, especificamente o Chile teve um número horrível de incêndios florestais este ano. Um estudo conduzido pela Universidade Estadual de Montana constatou que: “Além da baixa umidade, ventos fortes e temperaturas extremas – alguns dos mesmos fatores contribuindo para incêndios nos  Estados Unidos – a região central do Chile vive uma mega seca e grandes porções de suas diversas florestas nativas foram convertidos em plantações de árvores mais inflamáveis, disseram os pesquisadores”. Mais sobre este estudo pode ser encontrado aqui.

No entanto, no Brasil, os incêndios são incêndios florestais e incêndios provocados pelo homem, destinados a limpar os campos de detritos da safra da última safra. Os incêndios também são comumente usados durante o período de seca do Brasil para desmatar a terra e limpá-la para criação de gado ou outras finalidades agrícolas ou de extração. O problema com esses incêndios é que eles crescem fora de controle rapidamente devido a problemas climáticos. As condições quentes e secas, juntamente com o acionamento do vento, disparam longe de sua área de queima prevista original. De acordo com o site Global Fire Watch (entre 15/08 e 22/08) mostra: 30.964 alertas de incêndio.

A Austrália também é onde você tende a encontrar grandes incêndios florestais em suas áreas mais remotas. Verões mais quentes e secos na Austrália significarão estações de fogo mais longas – e a expansão urbana na mata nativa está colocando mais pessoas em risco quando esses incêndios eclodirem. Para grandes áreas no norte e no oeste, a temporada de incêndios florestais foi antecipada em um total de dois meses até agosto – até o inverno, que começou oficialmente em 1º de junho. De acordo com o Bureau Australiano de Meteorologia (Bom), o período de janeiro a julho de 2018 foi o mais quente em NSW desde 1910. À medida que o clima continua a mudar e as áreas se tornam mais quentes e secas, mais e mais incêndios florestais irromperão em toda a Austrália.

O aplicativo de visão de mundo do Sistema de Informações e Sistemas de Observação da Terra (EOSDIS) da NASA fornece a capacidade de navegar interativamente por mais de 700 camadas globais de imagens de satélite de resolução completa e, em seguida, fazer o download dos dados subjacentes.

Muitas das camadas de imagens disponíveis são atualizadas dentro de três horas de observação, essencialmente mostrando toda a Terra como parece agora. Esta imagem de satélite foi coletada em 22 de agosto de 2018. Fogos ativos, detectados por bandas térmicas, são mostrados como vermelhos

Para ver a imagem na Worldview: https://go.nasa.gov/2BRck1Z

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Imagens de satélite registram um mundo em chamas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV