Índia. Um escândalo envolve as Missionárias da Caridade passível de instrumentalização

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Julho 2018

Um caso local muito feio. Na Índia do nacionalismo hindu, pode vir a se transformar em uma acusação generalizada contra as freiras de Madre Teresa. Há alguns dias, as Missionárias da Caridade estão no olho do furacão por causa de uma sentença judicial que determinou a prisão de uma delas, além de uma colaboradora leiga, sob a acusação de tráfico de adoções ilegais.

A reportagem é de Giorgio Bernardelli, publicada por Vatican Insider, 14-07-2018. A tradução é do Cepat.

Os fatos teriam acontecido em uma casa para mães solteiras que as religiosas administram na capital do estado de Jharkhand, uma das 243 estruturas a serviço dos últimos, que fazem parte todos os dias da ocupação das irmãs da caridade na Índia. As autoridades judiciais receberam a denúncia de um casal hindu que teria depositado 120.000 rupias (cerca de 1.500 euros) para poder adotar uma das crianças das mães solteiras. E estão investigando se é apenas um episódio isolado. É preciso acrescentar que, desde 2015, como política geral, as Missionárias da Caridade tinham deixado de oferecer serviços para a adoção de crianças na Índia, pois não concordam com os princípios do governo de Nova Delhi, que permitem a adoção entre casais de pessoas do mesmo sexo ou entre solteiros.

No dia 5 de julho, ao ficar sabendo da notícia sobre a diretora do centro de Ranchi, irmã Concilia, a Casa Mãe das Missionárias da Caridade divulgou, de imediato, um claro posicionamento a esse respeito: “Estamos totalmente surpresas pelo que aconteceu em uma de nossas casas. Nunca deveria ter acontecido. Vai contra as nossas convicções morais. Estamos verificando com muita atenção o episódio. Adotaremos todas as precauções necessárias para que um incidente deste tipo nunca volte a se repetir”, escreveu a superiora, irmã Mary Prema.

Contudo, enquanto isso, as Missionárias da Caridade devem enfrentar uma série de ações colocadas em marcha pelo governo local de Jharkhand, que, especificamente, parece desejar estender as acusações para toda a família religiosa fundada por Madre Teresa de Calcutá. O chefe da polícia pediu que o governo central de Nova Delhi congele todas as contas bancárias das Missionárias da Caridade, para verificar a existência de violações nos financiamentos do estrangeiro. Tudo isso ao mesmo tempo em que na opinião pública do país retornam as velhas teses do jornalista inglês, Christopher Hitchens, que acusava Madre Teresa de explorar a pobreza na Índia. O Movimento dos nacionalistas hindus, o RSS, muito próximo ao primeiro-ministro Narendra Modi, pediu que fosse retirado da fundadora das Missionárias da Caridade a Baharat Ratna, maior condecoração da Índia, que recebeu em 1980.

Diante desta onda de acusações, que tem toda a aparência de ser uma instrumentalização, o bispo auxiliar de Ranchi, Telesphore Bilung, apontou que o governo local, sob a orientação dos nacionalistas hindus, introduziu no ano passado, em Jharkhand, as polêmicas leis anticonversão. “Temos notícias de perseguições em diferentes distritos do Estado. Estão procurando demonstrar que os cristãos estão relacionados com atividades ilegais”, declarou à agência UcaNews. Também a porta-voz das Missionárias da Caridade, Sunita Kumar, fez referência à tentativa de “ameaçar e sufocar financeiramente” a ordem religiosa fundada por Madre Teresa, “cuja obra na Índia, de 1950 até o presente, é evidente para todos”.

As próximas eleições políticas, que serão realizadas em maio de 2019, parecem influenciar nesta história: os nacionalistas hindus do partido BJP, no governo com Modi, foram acusados em várias ocasiões, durante estes anos, de construir o próprio consenso mediante atos de hostilidade cada vez mais graves e elaborados contra as minorias. Neste contexto, é significativo que Mamata Banerjee, governadora do estado de Bengala Ocidental, o estado de Calcutá, tenha defendido as Missionárias da Caridade: “Estão maliciosamente procurando difamar o nome de Madre Teresa, tomando como alvo as freiras – escreveu em um “tuíte”. O BJP não se esquece de ninguém e deve ser condenado com firmeza. Deixem que as Missionárias da Caridade continuem desempenhando o seu serviço em favor dos mais pobres entre os pobres”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Índia. Um escândalo envolve as Missionárias da Caridade passível de instrumentalização - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV