A constante corrida na esteira da inovação do mundo 4.0

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Ricardo Machado | 23 Março 2018

A dobra do mundo em sua versão 4.0 deixa no passado a estabilidade de quaisquer certezas. Ainda que isso não seja sinônimo de novidade iluminada, afinal há um tanto de teoria, muitas vezes chamada de pós-estruturalista, que há décadas inscreve um enorme ponto de interrogação nas verdades estabelecidas, na quarta revolução industrial isso aparece com ainda mais força. “A revolução 4.0 é uma transformação na forma de se relacionar, não simplesmente na forma de produção. Há uma nova cultura baseada no compartilhamento, possibilitadas pelos hiperlinks e que agora estão gerando um novo tipo de pensamento”, pontua Fábio do Prado, professor e reitor do Centro Universitário FEI.

Para o professor, “a grande característica das sociedades do futuro é que seremos eternos aprendizes. As novas tecnologias exigem atualizações constantes. O ciclo da obsolescência será ainda maior”. O debate em que trouxe a revolução 4.0 para o centro da discussão foi realizado na noite da quarta-feira, 21-3-2018, com a conferência A formação profissional no contexto da revolução 4.0, dentro do 2º Ciclo de estudos Revolução 4.0. Impactos aos modos de produzir e viver.

 

Fábio do Prado na Sala Ignacio Ellacuría e Companheiros, no IHU (Fotos: Ricardo Machado/IHU)

O futuro 4.0 tem, além de suas exigências por novas competências, contradições que produzem paradoxismo, sobretudo por suas incertezas. É disso que vem as dicotomias quando levamos em conta que sequer as promessas da Terceira Revolução Industrial foram cumpridas e já estamos diante de novas e mais ousadas apostas. “Ainda estamos na revolução 2.5, mas sou otimista e temos que começar as transformações. Não podemos ficar parados no nosso contexto. É preciso gerar condições de criação de um ecossistema capaz de reverter o quadro apresentado. Não é um mar de rosas, de fato, mas temos que começar a mudar nossa forma de atuar nas universidades para produzir profissionais que vão gerar tecnologias capazes de nos tirar dessa situação”, pontua.

 

Outro imperativo do mundo 4.0 é a necessidade de desenvolver uma abordagem complexa em todos aqueles que pretendem integrar o mundo do trabalho. “Os trabalhadores mais qualificados terão mais facilidade de se adaptarem ao novo mundo. O grande problema fica para as funções menos qualificadas porque haverá um achatamento salarial devido à questão da competitividade”, destaca.

Contradições

Nesse sentido, o professor aponta que devem surgir políticas públicas para sustentar as pessoas desempregadas, sobretudo no Brasil, onde esse problema é enorme, mas isso sequer faz parte da agenda pública. Outro aspecto de relevo, é que a revolução 4.0 pode afetar negativamente nossas habilidades sociais e capacidades de empatia, o que dificulta a produção de complexidade. “Estamos perdendo o poder da contemplação, da pausa, da admiração. E justamente o que estamos perdendo com a tecnologia é o que mais nos será exigido como diferencial de mercado como profissionais”, frisa.

 

 

Desafio para educação

De acordo com Fábio do Prado, a tendência é que a educação e a formação dos novos profissionais sejam, cada vez mais, personalizadas. “As escolas deverão se transformar em centros de desenvolvimento de convivência para favorecer trabalhos de co-working. O grande segredo é formar aprendizes ao longo de toda uma vida e tornar a educação e a formação continuada acessível a todos”, projeta.

Dentre as habilidades que serão essenciais para o futuro breve estão os conhecimentos básicos nos campos da ciência, tecnologia, engenharia e matemática, além de criatividade, pensamento crítico e sistêmico. “A nova ciência vem descaracterizar a influência das crenças do individualismo com coadaptação e coprodução. As organizações e seus líderes devem fazer aquilo que os sistemas vivos fazem com tanta habilidade”, propõe.

Há, porém, uma certa contradição entre conteúdo e forma. Isso porque, segundo Prado, as perguntas que moverão o mundo não deverão ser feitas pelos professores, mas pelos alunos. “Se os professores se sentem mais confortáveis com perguntas, o aprendizado se torna uma aventura mais interessante”, sustenta. A dificuldade no processo é romper com a bolha social e digital em que muitos jovens fazem parte. “Não há outra forma senão de provocar os alunos a se afastarem da rotina e começar a olhar para o futuro. Como eu posso dentro da carreira produzir transformações por meio de projetos multidisciplinares? É preciso trabalhar individualmente e em conjunto. A palavra de ordem a é autonomia”, assevera.

Ao finalizar a conferência, o professor lembrou que, mesmo diante de todos os avanços tecnológicos de automação industrial e inteligência artificial, “o futuro que queremos ainda tem o talento da vida humana como o grande protagonista das transformações”. “Cometer erros diferentes é sinal de que estamos aprendendo coisas novas. O aluno tem que ser protagonista e inovar o tempo todo, estender os horizontes e tentar estimular o que ele pode transformar como profissional. Ao professor cabe fazer esse trabalho de forma cada vez mais sistêmica, com aulas fascinantes e inspiradoras e os alunos se sentindo parte desse processo e responsáveis pela transformação como pessoa”, complementa.

Fabio Prado

Fabio do Prado

Fábio do Prado é bacharel e licenciado em Física pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mestre em Ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica – ITA e doutor em Geofísica Espacial pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe. É membro da Sociedade Brasileira de Física - SBF e da Associação Brasileira de Ensino de Engenharia – Abenge. Atualmente é reitor do Centro Universitário FEI, vice-presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras – Crub, coordenador suplente do Fórum das Instituições de Educação Superior Confiadas à Companhia de Jesus no Brasil – Fories e segundo vice-presidente da Associação das Universidade confiadas à Companhia de Jesus na América Latina – Ausjal.

Assista a conferência na íntegra

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A constante corrida na esteira da inovação do mundo 4.0 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV