Espanha. 20% da população se afasta da classe média devido ao emprego precário

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Dezembro 2017

Recuperação econômica se consolida na Espanha, mas brecha entre ricos e pobres aumenta. Desemprego e precariedade, gerada pela reforma trabalhista que inspirou a brasileira, persistem.

Mar Cuba decidiu há três anos ser mãe. Ela e o pequeno Leo vivem em Vilagarcía de Arousa, a 30 quilômetros de Pontevedra, no noroeste da Espanha, a distância que Mar tem de cobrir todo dia para ir trabalhar. Leo, enquanto isso, espera por ela na creche. “As mães solteiras estão em uma situação de permanente risco de desemprego. Nossas probabilidades de perder o emprego são maiores: qualquer imprevisto que tenhamos em casa pode nos fazer perder o dia de trabalho e, às vezes, isso pode ser causa de demissão. Se isso ocorre, perde-se toda a economia familiar”.

A reportagem é de Antonio Maqueda e Nacho Carretero e publicada por El País, 10-12-2017.

Mar representa uma das caras da desigualdade. As famílias monoparentais são talvez o grupo que mais evidencia os graves problemas que ainda afligem a Espanha agora que a economia se recupera. Uma armadilha da qual é difícil sair. Mesmo se o desemprego e os níveis de pobreza caem, a desigualdade econômica aumenta. A Comissão Europeia situa a Espanha entre os países cuja população apresenta maiores diferenças de renda. Na média da União Europeia, os 20% que mais ganham recebem cinco vezes mais que os 20% que menos ganham. Na Espanha, essa proporção passa de seis vezes e meia. Esse dado deixa a Espanha entre os últimos da UE, juntamente com Bulgária, Grécia e Lituânia. Será que os cidadãos espanhóis estão tão mal como os desses países? Como isso pode ocorrer, depois de mais de três anos de recuperação econômica?

A atividade que se perdeu em torno da construção se recuperou graças às exportações e ao turismo. A hotelaria e o comércio geram muito emprego. Mas as exportações não exigem mão de obra intensiva. Isso explica por que se restabeleceram os níveis de riqueza, mas com 1,7 milhão de empregos a menos. Segundo um estudo de Francisco Goerlich, do Instituto Valenciano de Pesquisas Econômicas, o desemprego explica até 80% do aumento da desigualdade durante a crise. Na faixa dos 20% que menos ganham estão muitos desempregados com pouca ou nenhuma renda.

Ou seja, a desigualdade não ocorre por um crescimento desmedido do que os de cima ganham, embora estes tenham sido favorecidos pela recuperação da Bolsa. Segundo os especialistas, a desigualdade ocorre porque há menos horas trabalhadas nos grupos de menor renda, seja pelo desemprego, pela alta rotatividade de contratos ou pelo trabalho temporário não desejado, algumas das consequências da reforma trabalhista produzida no país há cinco anos e que inspirou a brasileira.

Enrique García teve sete contratos temporários consecutivos. O mais longo durou três meses. Enrique é de Madri, tem 55 anos e antes da crise desfrutava de um bom posto de trabalho. “Estive 10 anos no setor comercial de uma empresa grande de software. Tinha um salário fixo de quase 2.000 euros mensais (7.740 reais) e cobriam todos os meus gastos. Fui demitido depois de ter ficado de licença por depressão e me encontrei desempregado às portas da crise.”

Enrique entrou em um negócio que não deu certo e, a partir daí, temporariedade e precariedade. “Trabalhei como vendedor de frutas, frentista, operador de telemarketing, vendedor comissionado onde gastava mais do que me pagavam… fiz de tudo, e tudo com contratos temporários e salários de 700 euros (2.710 reais) ao mês.” Seu último trabalho foi uma suplência como zelador, com a promessa de que teria um contrato fixo − que jamais chegou. “Com esta idade, é desesperador, porque vejo que tenho capacidade para trabalhar e fazer isso bem, mas é impossível entrar no mercado de trabalho”, lamenta.

O sistema espanhol de recolocação dá uma resposta muito precária a casos como o de Enrique. As agências públicas de emprego são muito boas na gestão do seguro-desemprego. Mas, depois de uma década de crise, continuam falhando na reciclagem e recolocação. Uma vez na armadilha da precariedade, é muito difícil escapar. E o problema mais urgente ocorre entre os que saíram da construção com idades como as de Enrique.

Antes sobrava trabalho

Efraim Medina chegou em 2001 do Peru. Fez isso por meio de um convênio entre a confederação sindical espanhola CCOO e um sindicato peruano que trouxe 50 trabalhadores da construção. “No início, sobrava trabalho”, conta Efraim, de 47 anos. “Depois de poucos meses na Espanha, chamaram-me de outra empresa e me fizeram um contrato fixo. E em seguida de outra, onde melhoraram minhas condições.”

Apesar disso, Efraim tinha consciência da fragilidade de sua situação. “Explicavam-nos que havia um boom da construção e que, a qualquer momento, tudo podia acabar. Por isso sabíamos que, se viesse uma crise, seríamos os primeiros a cair.” E assim foi. A empresa onde Efraim estava começou com atrasos no pagamento dos salários. “Diziam que não tinham dinheiro, que lamentavam, mas não podiam pagar a tempo. Assim, tive de tentar ganhar a vida por outro lado.”

Efraim começou então a alternar a fila do desemprego com trabalhos temporários pagos com um salário de 700 euros ao mês. “Dizem que a economia está se recuperando, mas acho que isto não é uma recuperação. As condições são muito ruins, cada vez piores, as pessoas estão dispostas a trabalhar por qualquer coisa e as empresas se aproveitam disso”, diz.

Muitos de seus amigos e companheiros retornaram ao Peru. “Eles nos telefonam e perguntam como está a Espanha. E nós dizemos: a mesma coisa.”

Castigo aos jovens

As estatísticas dizem que a temporalidade afeta ainda mais os jovens. O pior da alta rotatividade no emprego é que ela impede que os trabalhadores acumulem experiência e produtividade em uma empresa. O processo normal consistia em que um empregado jovem começasse com piores condições, mas fosse melhorando à medida que sua produtividade aumentava. E, quando acumulava uma certa experiência, outra empresa tentava contratá-lo melhorando substancialmente seu salário. Esse processo foi interrompido com o abuso do emprego temporário.

Outro fenômeno que se acentuou com a crise é a substituição de trabalhadores caros por outros mais baratos. “No setor bancário foram aposentados antecipadamente funcionários que tinham salários anuais de 60.000 euros (232.000 reais) para trocá-los por outros que cobravam apenas 20.000 euros (77.400)”, explica uma fonte do setor financeiro.

Os que mantiveram o emprego durante a crise aguentaram melhor. E conseguiram isso graças a um mercado de trabalho que protege muito o trabalhador com contrato por tempo indeterminado − e, portanto, concentra os ajustes de emprego nos temporários, completamente desprotegidos. Não importa o indicador que se use, todos deixam claro que o ajuste em horas e salários prejudicou mais quem tem as rendas mais baixas. E os grupos em pior situação são os trabalhadores com pouco estudo, jovens, imigrantes e mulheres.

Mar lembra as dificuldades que tem de encarar todos os dias: “Ser mãe já é complicado, ser mãe sozinha é muito pior. O problema não é apenas que a desigualdade salarial entre homens e mulheres afete a nós, mulheres, é que prejudique as crianças. Com um só salário que costuma ser inferior ao dos homens temos de pagar tudo”. Mar é intérprete de linguagem de sinais e trabalha em uma escola dando apoio a alunos que precisem. “Para nós, a promoção em uma empresa é muito mais complicada. Não podemos dividir tarefas nem decidir trabalhar mais ou menos horas. Por isso digo que costumamos ser economias de risco.”

Alguns especialistas assinalam que os auxílios públicos na Espanha estão todos ligados a ter tido emprego. Quanto mais se trabalhou, maior o seguro-desemprego ou a aposentadoria. Beneficiam-se os que mais trabalharam e os mais velhos. E há poucos auxílios para as famílias e os mais necessitados. Tudo isso se traduz em políticas públicas ineficazes na hora de aliviar o problema, como assinalou um estudo recente da Comissão Europeia.

A situação parece ruim para esses grupos, entre os quais está o caso de Mar. Mas a Espanha criou algumas redes de proteção que atenuaram o golpe entre os espanhóis e afastam sua situação da de países como Bulgária, Grécia e Lituânia. Segundo dados do Banco Central Europeu (BCE), a Espanha acumula uma riqueza média maior que a da Alemanha, França ou Itália por contar com maior patrimônio, principalmente em moradia. Embora seja surpreendente, os espanhóis estão na faixa de renda mais baixa têm um patrimônio maior que os alemães na mesma situação. Além disso, na Espanha a crise provocou um reagrupamento familiar que amorteceu o impacto no consumo. “Enquanto as famílias mais favorecidas reduziram o consumo total do lar em 17,2%, o gasto dos lares mais desfavorecidos diminuiu apenas 7,6%”, destaca um relatório do BBVA Research. Isto é: enquanto que a desigualdade de renda cresceu, a desigualdade de consumo baixou graças às ajudas das famílias.

A Espanha apresenta menores taxas de pobreza absoluta (entendida como privação de coisas básicas) que a média da UE. As diferenças entre as faixas de cima e as rendas intermediárias também não são altas. E mais, a retribuição por estar formado é menor na Espanha que em países vizinhos. E não há uma faixa de população extremamente rica, o famoso 1% ou 10%, como ocorre nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Um mercado duplo

No entanto, na Espanha existe um mercado de trabalho de duas pistas, a dos formados e a dos não formados, cuja brecha está aumentando. Uma análise de María Jesús Fernández, da Fundação das Cadernetas de Poupança da Espanha (Funcas), detecta que 58% dos empregos criados durante a recuperação foi de formação alta. Mas o resto não é. Daí a polarização. E o estudo apresenta uma conclusão ainda mais relevante: apenas 11% dos empregos criados entre 2014 e 2016 foram ocupados por pessoas com pouca formação. Esse é o grupo que está ficando para trás: os trabalhadores de baixa qualificação.

“A dispersão salarial será difícil de corrigir enquanto houver muitos trabalhadores com baixa formação. É difícil ter salários altos com uma produtividade baixa. Isso só ocorreu durante a bolha”, explica Jorge Onrubia, professor da Universidade Complutense e pesquisador do instituto de pesquisa científica espanhol Fedea.

O economista do BBVA Rafael Doménech sustenta que “grande parte da desigualdade de renda vem da desigualdade de capital humano, e a desigualdade de capital humano se explica pelo fracasso escolar”. Para piorar, desenvolveu-se pouco a formação de grau intermediário, e esse círculo vicioso se retroalimenta ainda mais pela interação com a globalização e por um avanço técnico que requer muitas habilidades.

Por isso, a igualdade de oportunidades na educação deveria ser prioritária. Entretanto, um relatório do BBVA sobre desigualdade detecta que a Espanha apresenta uma mobilidade social menor que a de outros países avançados. Há uma maior relação entre o que ganham os pais e o que ganham os filhos, e isso poderia perpetuar a desigualdade. “´É surpreendente que na Espanha não esteja sendo dada maior atenção à reforma da educação, para quebrar essas dinâmicas”, conclui Onrubia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Espanha. 20% da população se afasta da classe média devido ao emprego precário - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV