A pirâmide global da desigualdade da riqueza 2017

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Esse triste silêncio dos 50 milhões de jovens brasileiros

    LER MAIS
  • Bolsonaro, ou: Quem lança mão da espada, pela espada perecerá (Mt 26, 52)

    LER MAIS
  • Quem são os bolsonaristas convictos, segundo o Ibope

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Novembro 2017

"Fica a cada dia mais evidente que é impossível manter o crescimento da engrenagem insana de acumulação de capital que gera, ao mesmo tempo, riqueza (para poucos), pobreza relativa (para muitos) e, de forma ampla, geral e irrestrita, uma degradação dos ecossistemas e da biodiversidade. Sem justiça social e sem base ecológica não haverá como manter a estrutura piramidal da civilização antropocêntrica", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 24-11-2017.

Eis o artigo. 

A pirâmide global da riqueza sempre foi desigual, mas conseguiu apresentar uma desigualdade ainda maior nos últimos anos. O relatório sobre a riqueza global 2017, do banco Credit Suisse (The Credit Suisse Global Wealth Report 2017) renova o quadro amplo e esclarecedor da má distribuição da riqueza (patrimônio) das pessoas adultas do mundo. A riqueza global foi estimada em USD$ 280 trilhões em 2017 (meados do ano). Como havia 4,92 bilhões de pessoas adultas no mundo, a riqueza per capita por adultos foi de USD$ 56.540,00 (cinquenta e seis e quinhentos e quarenta mil dólares).

 

Na base da pirâmide estão as pessoas com a riqueza menor do que 10 mil dólares. Nesta imensa base havia 3,474 bilhões de adultos, em 2017, o que representava 70,1% do total de pessoas na maioridade no mundo. O montante de toda a “riqueza” deste enorme contingente foi de USD$ 7,6 trilhões, o que representava somente 2,7% da riqueza global de USD$ 280 trilhões. Ou seja, pouco mais de dois terços (2/3) dos adultos do mundo possuíam menos de 3% do patrimônio global da riqueza. A riqueza per capita deste grupo foi de USD$ 2.187,00

No grupo de riqueza entre USD$ 10.000,00 e USD$ 100.000,00 havia 1,054 bilhão de adultos, o que representava 21,3% do total de pessoas na maioridade no mundo. O montante de toda a riqueza deste contingente intermediário foi de USD$ 32,5 trilhões, o que representava 11,6% da riqueza global. Ou seja, cerca de um quinto (1/5) dos adultos do mundo possuíam 11,6% do patrimônio global da riqueza. A riqueza per capita deste grupo foi de USD$ 30,8 mil.

No grupo de riqueza entre USD$ 100.000,00 (cem mil dólares) e USD$ 1.000.000,00 (um milhão de dólares) havia 391 milhões de adultos, o que representava 7,9% do total de pessoas na maioridade no mundo. O montante de toda a riqueza deste contingente intermediário foi de USD$ 111,4 trilhões, o que representava 39,7% da riqueza global. Ou seja, menos de um décimo (1/10) dos adultos do mundo possuíam 39,7% do patrimônio global da riqueza. A riqueza per capita deste grupo foi de USD$ 285 mil.

Os milionários, aqueles com patrimônio acima de USD$ 1.000.000,00 (um milhão de dólares) eram somente 36 milhões de adultos, representando 0,6% do total de adultos do mundo, mas concentravam 45,9% da riqueza mundial, um montante de USD$ 128,7 trilhões. A riqueza per capita deste grupo foi de USD$ 3.575,00.

Chama a atenção na distribuição da riqueza que os 36 milhões de adultos do alto da pirâmide possuíam uma riqueza 17 vezes o patrimônio dos 3,47 bilhões de pessoas da base da pirâmide. A renda per capita dos adultos do topo estava 1.634 vezes maior do que a média dos adultos da base da pirâmide.

Nota-se que a desigualdade apresentada no relatório 2017 do Credit Suisse é maior do que a desigualdade apresentada no relatório de 2012, como pode ser verificado na figura abaixo.

 

Ainda de acordo com relatório Global Wealth Report 2017, a riqueza total dos brasileiros foi de USD$ 2,5 trilhões para 146 milhões de adultos, uma média de USD$ 13,532 por adultos. O 1% dos brasileiros do topo da pirâmide (227 mil adultos) acumula uma riqueza equivalente ao patrimônio de 44% dos brasileiros da base da pirâmide. Segundo a projeção do banco Credit Suisse, o número de milionários no Brasil poderá chegar a 296 mil até 2022, o que representaria uma alta de 81% ante os atuais 164 mil brasileiros com mais de US$ 1 milhão.

 

Não é surpresa que o mundo seja tão desigual e esteja ficando com uma desigualdade ainda maior. O Brasil é um dos países mais desiguais em um mundo tão desigual. Evidentemente, uma redução da alta concentração da riqueza poderia reduzir a pobreza e poderia também gerar recursos para a proteção do meio ambiente.

A riqueza global foi estimada em USD$ 223 trilhões em 2012 e em USD$ 280 trilhões em 2017, um crescimento de 26% em 5 anos. Ou seja, o mundo humano está ficando mais rico e mais desigual. Ao mesmo, tempo o meio ambiente está ficando cada vez mais pobre e degradado. Desta forma, não resta dúvidas de que o atual modelo de desenvolvimento é insustentável e que o século XXI poderá assistir a um “choque marxista” em decorrência das injustiças sociais e um “choque ambiental” devido à ultrapassagem da capacidade de carga do Planeta (Alves, 2015).

Fica a cada dia mais evidente que é impossível manter o crescimento da engrenagem insana de acumulação de capital que gera, ao mesmo tempo, riqueza (para poucos), pobreza relativa (para muitos) e, de forma ampla, geral e irrestrita, uma degradação dos ecossistemas e da biodiversidade. Sem justiça social e sem base ecológica não haverá como manter a estrutura piramidal da civilização antropocêntrica.

Referência:

ALVES, JED. A crise do capital no século XXI: choque ambiental e choque marxista. Salvador, Revista Dialética Edição 7, vol 6, ano 5, junho de 2015 

The Credit Suisse Global Wealth Report 2017. Zurich, Switzerland. 14 de novembro 2017 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A pirâmide global da desigualdade da riqueza 2017 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV