Bolívia é o país que mais cresce na América Latina

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Agrotóxicos proibidos na Europa são campeões de vendas no Brasil

    LER MAIS
  • Análise de conjuntura: novo ensaio. Artigo de Pedro A. Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS
  • A tragédia de Campinas e a suspensão do Estatuto do Desarmamento. Nada muda, segundo Onyx Lorenzoni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Lara Ely | 31 Outubro 2017

Apesar da crise no preço das commodities, a Bolívia está há mais de uma década crescendo a uma média anual de 5% – crescimento superior ao dos Estados Unidos e demais países sul-americanos. Apenas no ano passado, cresceu 4,3%, sendo seguida por Paraguai (4,1%) e Peru (4%). Com estes números, o país se tornou o que mais cresce na América do Sul.

No poder há dez anos, o governo de Evo Morales mantém o crescimento graças a nacionalização do Petróleo e às exportações de gás natural que vende ao Brasil e à Argentina. Embora tenha feito esforços para diversificar a economia (com a venda de diesel, estanho e soja), permanece a pergunta de quanto tempo vai conseguir sustentar seu modelo de desenvolvimento, considerado "milagre econômico boliviano".

Fonte: Cepal 

Os dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – Cepal, lançados na semana passada, estimam que toda a região crescerá 1,2% em 2017 e 2,2% em 2018, impulsionada pela produção de matérias-primas. Se comparado ao dos Estados Unidos, que cresceu apenas 1,5%, o desempenho da Bolívia foi bastante alto. O Brasil teve retração de 3,6% em 2016.

O Brasil tem o sexto pior desempenho da região em 2017, empatado com o Equador e atrás de países como a Venezuela (-8%), Cuba ( 0,5%) e Suriname (-0,2%). Para 2018, o Brasil deve ter um crescimento mais robusto de 2%, segundo a Cepal, o que melhora a posição do País entre os demais.

A Cepal afirma que a capacidade dos países da América Latina e do Caribe de gerar um crescimento sustentado depende dos "espaços para adotar políticas que apoiem o investimento", a fim de reduzir "os efeitos de choques externos e evitar consequências significativas no desempenho das economias no médio e longo prazo". Nesse contexto, a instituição defende impulsionar o investimento público e privado, e diversificar a estrutura produtiva, para gerar "maior valor agregado e incorporar tecnologia e conhecimento."

No campo político, a gestão de Evo tem sido elogiada por suas reformas inclusivas, mas criticada por suas tendências autoritárias, casos de corrupção e o nascimento de uma chamada "burguesia aymara" – em referência ao povo indígena do qual Evo faz parte.

Segundo apontou reportagem da BBC, embora haja posições distintas em relação à atuação política de Morales, sobre a condução da economia os especialistas nacionais e internacionais convergem. Segundo eles os três pilares do sucesso econômico da Bolívia estão baseados no gás e petróleo, investimento planejado e estabilidade. 

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolívia é o país que mais cresce na América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV