Cientistas preocupados com a perda de colônias de abelhas

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Setembro 2017

Cientistas brasileiros e de diversos países estarão reunidos de 16 a 18 de outubro para discutir e propor alternativas para evitar a perda de colônias de abelhas. O encontro, promovido pela Embrapa, vai ocorrer em Teresina, Piauí, no “Simpósio sobre Perda de Abelhas no Brasil”. Durante o evento serão discutidas as principais causas de perdas de enxames de abelhas no Brasil, suas consequências, estratégias e direcionamentos de pesquisa para reduzir as perdas das colônias e os efeitos causados com o declínio de polinizadores.

A reportagem Eugênia Ribeiro, publicada por Embrapa Meio-Norte, 11-09-2017.

A importância das abelhas para a preservação da vida, iniciativas para conservação de polinizadores, a criação de corredores ecológicos e o uso de ferramentas computacionais para monitorar colmeias e identificar fatores que provocam a perda de colônias são alguns dos temas a serem tratados no simpósio.

Na área da agricultura, o impacto do uso de agrotóxicos, o monitoramento dos polinizadores em ambientes naturais e agrícolas e o efeito das culturas transgênicas para as abelhas também farão parte da programação.

Além de painéis e palestras, no dia 19 de outubro a Embrapa irá realizar com seus pesquisadores um workshop para elaborar o mapa de resultados, plano de monitoramento e avaliação de impactos das pesquisas com abelhas da instituição.

O problema

As abelhas são responsáveis pela polinização de centenas de árvores frutíferas. Algumas espécies vegetais são tão dependentes desses insetos para se reproduzirem que a extinção das abelhas pode levar à extinção da planta. Como muitos animais se alimentam de frutos e utilizam as árvores para abrigar ninhos, com a redução da quantidade de abelhas há um impacto negativo em todo o meio ambiente, podendo haver uma extinção em massa de várias espécies animais.

“A conservação das abelhas é de extrema importância para a preservação ambiental e da biodiversidade, garantia de produção de alimento e geração de renda para apicultores”, explica a pesquisadora Fábia de Mello Pereira, líder de um projeto sobre conservação de recursos genéticos de insetos polinizadores.

Na produção agrícola, esses insetos são considerados o agente polinizador mais importante e eficiente, sendo responsáveis pela polinização de aproximadamente 73% das espécies cultivadas em todo o mundo. Além dos impactos ambientais, também a segurança e diversidade alimentar, a garantia da nutrição humana e preços dos alimentos são estritamente relacionados à atuação dos agentes polinizadores. A produção de mel, própolis, pólen apícola, geleia real, apitoxina e as próprias colônias de abelhas, representam importante fonte de renda, especialmente na agricultura familiar.

O desaparecimento das abelhas preocupa especialistas, organizações governamentais e não governamentais em todo o mundo. Uma das causas dessa perda é o fenômeno da Desordem do Colapso das Colônias (DCC), ainda não registrado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Brasil. “Os problemas relacionados à perda de enxames e mortalidade de colônias no país possuem como causa a seca, desmatamento e uso indiscriminado de agrotóxico”, esclarece a pesquisadora.

Esse fenômeno foi inicialmente relatado em 2006 nos Estados Unidos, quando vários apicultores começaram a observar que colônias fortes estavam tendo uma redução grande na população de operárias sem que houvesse alguma causa específica. Esta redução na população, em geral, é atribuída à falta de alimento, perda de rainha, mortalidade causada por uso de agrotóxicos, doenças ou ataque de inimigos naturais, mas nenhum destes problemas foi observado pelos apicultores, o que deixou os pesquisadores intrigados.

Em 2007, também nos Estados Unidos, pesquisadores de instituições federais, universidades, representantes da indústria apícola e dos produtores identificaram um conjunto de sintomas que caracterizava a síndrome que ficou conhecida como Desordem do Colapso das Colônias.

A causa da DCC ainda não foi definida. Acredita-se que uma interação de fatores pode interferir no sistema imunológico das abelhas e causar o problema. As infestações com o ácaro Varroa destructor e com o microsporídio Nosema ceranae estão relacionadas à síndrome, porém não são causas únicas. As abelhas são especialmente suscetíveis aos agrotóxicos e estudos demonstram que muitos agrotóxicos podem interagir com esses agentes patogênicos, potencializando os sintomas e levando à DDC. O estresse causado pelo transporte durante a migração e problemas nutricionais das colônias também são apontados como causas da Síndrome.

Abelhas no Brasil

Embora no Brasil não existam dados oficiais sobre a redução da população de abelhas, apicultores e pesquisadores têm observado nos últimos anos a perda de abelhas causada principalmente por desmatamento, uso indiscriminado de agrotóxicos e períodos prolongados de seca.

Várias instituições governamentais e não governamentais brasileiras estão trabalhando para conservar as abelhas. Além disso, várias pesquisas são realizadas com o objetivo de conhecer melhor a distribuição e biologia destes insetos, o que é fundamental para podermos protegê-los. A

Embrapa tem também bancos de germoplasma em várias regiões do País onde são conservadas colônias de mais de 20 espécies de abelhas-sem-ferrão, apis melífera e abelhas solitárias.

Ações voltadas para conscientização sobre a importância das abelhas, resgate de enxames em risco e incentivo à criação de abelhas em ambientes urbanos têm sido realizadas por diversas organizações não governamentais a exemplo da Bee or not to be e da SOS Abelhas Sem Ferrão.

Além destas ações, várias outras devem ser realizadas para proteger as abelhas. A principal delas, segundo Fábia Pereira, é a preservação ambiental. “O Brasil possui mais de 70 milhões de hectares de áreas de preservação federal, mas há também as áreas de preservação estadual, municipal e particulares. Contudo, muitas destas áreas estão isoladas e, com o tempo, os recursos genéticos existentes acabam se perdendo. A conexão destas áreas por meio de corredores ecológicos é imprescindível e vem sendo estimulada no país”, ressalta.

O controle do uso de agrotóxicos e o estímulo à substituição destes por defensivos biológicos também podem contribuir para reverter essa situação. “Estimular a produção familiar e o consumo de produtos orgânicos também é importante”, acrescenta.

Mas, para a pesquisadora, entre tantas ações que podem ser realizadas, talvez a principal seja a educação. “Conscientizar a população da importância das abelhas e da preservação ambiental é fundamental, já que muitas ações podem ser realizadas em casa

e exigem a mudança dos hábitos diários da população, como redução do lixo, uso racional da água, manter um jardim com plantas atrativas para polinizadores e até mesmo a manutenção de colmeias de abelhas-sem-ferrão em casa”, conclui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas preocupados com a perda de colônias de abelhas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV