Eutanásia, sim ou não? Aberto o debate nas igrejas evangélicas

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2017

As delicadas questões do fim da vida voltam ao centro das atenções das igrejas evangélicas italianas, depois que a Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense (BMV) aprovaram, por maioria, a publicação de um novo texto intitulado: "É o fim, para mim o início da vida. Eutanásia e suicídio assistido: uma perspectiva protestante".

A informação é publicada por Nev – Notizie evangeliche, 27-07-2017. A tradução é de Ramiro Mincato.

"Depois de dois anos de trabalho - explica Luca Savarino, coordenador da Bioética BMV - propomos às igrejas este texto com que esperamos começar, dentro das comunidades individuais e também no mais amplo espaço público italiano, um debate calmo e profundo sobre os temas da eutanásia e do suicídio assistido".

Nas conclusões do documento lê-se: "Este debate deve ser conduzido tendo presente tanto as evidências científicas disponíveis até à data, como os dados sobre a legislação dos países que nos últimos vinte e cinco anos tomaram um caminho semelhante. Conscientes de lidar com um assunto controverso, tentamos distinguir diferentes níveis do discurso, que muitas vezes se entrelaçam e se confundem uns com os outros: o nível científico, o ético e o jurídico, em primeiro lugar. Distinguir entre a ética cristã, que lida principalmente com as comunidades de fé, e a ética secular, que faz uso de argumentos potencialmente universais, em segundo lugar. Nosso ponto de vista, a partir da fé, não pretende absolutizar uma moral especial, mas está atento ao contexto em que as escolhas individuais e as dinâmicas políticas acontecem".

O tema da doce morte é delicada, e há, nas igrejas protestantes, mesmo em âmbito de Europa, discordâncias. No entanto, a Comissão de Bioética BMV tende a uma linha mais aberta em favor da eutanásia. “É justo que se discuta - diz Savarino -; as posições divergem, mesmo dentro de nossa própria Comissão, tanto assim que o texto não foi votado por unanimidade. No panorama do protestantismo histórico, há pelo menos quarenta anos, existem simultaneamente duas linhas diferentes de pensamento sobre o tema do fim da vida. A primeira, da grande maioria, é a encontrada no documento da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) "Um tempo para viver e um tempo para morrer", onde a eutanásia é vista como profundamente problemática no plano ético, enquanto que, no plano cultural, sua legalização equivaleria a sua banalização. A segunda, é a que apareceu pela primeira vez em 1972, em uma relação do Sínodo da Igreja Reformada da Holanda, intitulado Eutanásia. Significado e limites da terapia médica, e que, em alguns aspectos, também caracteriza nossos documentos".

O novo documento, já enviado às igrejas, será apresentado por Savarino no próximo Sínodo das igrejas Metodistas e Valdenses, de 20 a 25 de agosto, em Torre Pellice (TO). O debate está aberto.

Para mais informações clique aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eutanásia, sim ou não? Aberto o debate nas igrejas evangélicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU