Fase diocesana da causa de beatificação do missionário mártir Ezequiel Ramin foi concluída

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Março 2017

Concluiu-se no sábado, 25 de março, a fase diocesana da causa de beatificação do Servo de Deus Padre Ezequiel Ramin, missionário comboniano (MCCJ), morto no Brasil em 24 de julho de 1985.

A reportagem é da Agência Fides, 27-03-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O ato oficial ocorreu na sua paróquia de origem, a Igreja de San Giuseppe, em Pádua, na presença dos membros do Tribunal Eclesiástico Diocesano, dos representantes dos combonianos, de missionários e missionárias, e de inúmeros fiéis. Os atos processuais serão agora entregues à Congregação para as Causas dos Santos.

Nascido em Pádua no dia 9 de fevereiro de 1953, Ezequiel Ramin entrou para os missionários combonianos em 1974 e emitiu os primeiros votos em 5 de junho de 1976. Continuou a sua formação com experiências em Uganda, Estados Unidos e México. No dia 15 de maio de 1980, emitiu os votos perpétuos e, em 28 de setembro do mesmo ano, na Itália, foi ordenado sacerdote.

No dia 20 de janeiro de 1984, chegou ao Brasil, destinado depois a Cacoal, em Rondônia, onde levou a sério a problemática indígena da distribuição das terras. No dia 24 de julho de 1985, foi morto em uma emboscada, enquanto retornava de um encontro com alguns agricultores que tinham ocupado terras, aos quais havia pedido para se retirarem. Poucos dias depois, o Papa João Paulo II falaria dele como de um “mártir da caridade”.

De acordo com as informações recebidas pela Agência Fides no Brasil, a mais de 30 anos do acontecido, “a memória do Pe. Ezequiel ainda está muito viva, especialmente entre as populações indígenas, os agricultores e as pessoas mais simples. A sua figura ainda anima e ilumina a fé e o compromisso das comunidades cristãs e das organizações populares”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fase diocesana da causa de beatificação do missionário mártir Ezequiel Ramin foi concluída - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV