Le Monde repercute “apocalipse” dos assassinatos no campo no Brasil

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • 50 anos do assassinato de Padre Henrique serão lembrados na mesa-redonda “Missão, martírio e verdade”

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Março 2017

Jornal francês fala de militante do MST morto no dia 20, “um brasileiro em guerra contra a voracidade dos grandes proprietários de terra”.

A reportagem é publicada por De Olho nos Ruralistas, 28-03-2017.

O jornal francês Le Monde repercutiu no domingo os assassinatos no campo ocorridos no Brasil em 2016 e 2017. Título: “No Brasil, assassinatos em série de militantes ecologistas“. A correspondente em São Paulo, Claire Gatinois, conta que o tema são os assassinatos no campo mesmo, o título foi escolhido porque o leitor francês teria mais dificuldade de entender – embora seja uma realidade cotidiana no Brasil. O texto parte do assassinato de Waldomiro Costa Pereira, no Pará, no dia 20.

Ele era militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e sobrevivente do massacre de Eldorado dos Carajás (PA), há 20 anos, no dia 17 de abril de 1996. Ele foi assassinado em pleno hospital – após ter sobrevivido a um atentado. “Era membro de um desses batalhões de brasileiros em guerra contra a voracidade dos grandes proprietários de terra, gigantes agrícolas e grupos mineradores”, escreve a repórter.

O jornal menciona o Brasil como recordista mundial de assassinatos de militantes ecologistas e defensores de direitos humanos, da terra ou da floresta: 207 mortos entre 2010 e 2015, segundo a ONG Global Witness. “Longe de acalmar, o fenômeno se amplifica no Brasil, com 61 mortes contabilizados em 2016 pela Comissão Pastoral da Terra”, diz a reportagem.

O Le Monde menciona os assassinatos do sindicalista Chico Mendes, em 1988, e de Dorothy Stang, em 2005, como símbolos da violência brasileira no campo. Mas não a associa unicamente à Amazônia, ao relatar o assassinato, no mesmo dia da execução de Pereira, do cacique Antonio José Mig Claudino, no Rio Grande do Sul.

Danicley Aguiar, do Greenpeace Brasil, é uma das fontes ouvidas pela reportagem. O editor do De Olho nos Ruralistas, Alceu Castilho, fala sobre a omissão dos governos – todos eles – em relação à violência no campo. “Nenhum deles se opôs ao lobby agrário e minerador”, afirma. Thiago Valentim, da CPT, refere-se à omissão do Estado.

O jornal encerra a reportagem de forma pessimista: “Esse panorama já apocalíptico tende a escurecer ainda mais à mercê da grave crise econômica que chacoalha o país desde 2015 e incita o Estado a defender as multinacionais provedoras, no curto prazo, de investimentos financeiros providenciais”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Le Monde repercute “apocalipse” dos assassinatos no campo no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV