“O peixe está magro e está morrendo”, afirma indígena Munduruku sobre o rio Teles Pires

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Presidente do Bradesco enquadra Bolsonaro: não está entregando o combinado

    LER MAIS
  • “O capitalismo está sob séria ameaça”, adverte Raghuram Rajan, economista que previu a crise financeira global

    LER MAIS
  • Um presidente errático em sintonia com frustrações e anseios inconscientes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Março 2017

A instalação do empreendimento hidrelétrica de Teles Pires, entre o Pará e Mato Grosso, está causando a escassez de peixes na região do Rio Teles Pires e impactando as aldeias indígenas no entorno. “O peixe está magro, está morrendo. Não só os peixes, os botos também”, relata a indígena Iandra Waro Munduruku, da Aldeia Teles Pires.

A reportagem foi publicada por Amazônia, 21-03-2017.

O depoimento faz parte do projeto Vozes dos Atingidos, que semanalmente divulga vídeos com opiniões dos atingidos pelo empreendimento hidrelétrico. Realizado pelo Fórum Teles Pires, o objetivo é dar espaço para vozes que tendem a ser ignoradas durante o processo de consolidação de grandes empreendimentos na Amazônia.

A saúde e a cultura também foram impactadas, segundo o relato. “Hoje em dia está muito grande o número de crianças com micose, com conjuntivite e outras coisas que não sabemos o que é. A preocupação é grande porque afeta a gente, afeta a cultura e a nossa crença”, afirma.

Assista ao vídeo:

A primeira entrevista foi com a indígena Judite Kayabi, da Da Aldeia Kururuzinho, que fica de um lado do braço do rio Teles Pires, no Pará. Ela também criticou a qualidade da água do Rio Teles Pires e sobre os impactos nos peixes. Veja aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O peixe está magro e está morrendo”, afirma indígena Munduruku sobre o rio Teles Pires - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV