A descoberta de um paredão misterioso

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Fevereiro 2017

Durante nossa Expedição para ver os corais da Amazônia, encontramos uma formação geológica inesperada que surpreendeu os cientistas e mostra o quão pouco sabemos sobre a região.

A reportagem é de Thaís Herrero, publicada por Greenpeace, 14-02-2017.

A expedição do Espenraza no Brasil guardou uma surpresa para o final: uma descoberta geológica que muda tudo o que sabemos sobre a região da costa norte do Brasil.

Os mapas que mostram a geologia do fundo do mar onde estão os recifes de corais da Amazônia são superficiais e sem detalhes. Falam basicamente sobre fundos arenosos, fundos lamosos e fundos com fragmentos de corais e algas calcárias. Mas vimos aqui muitos fundos com rocha, o que não era esperado.

Em nossa expedição, a bordo do Esperanza, temos as coordenadas geográficas de onde estão os recifes de corais e é por elas que nos guiamos. E há um aparelho muito importante: um sonar, que percebe por meio de ondas a estrutura do fundo do mar. É por ele que sabemos a profundidade e se estamos em cima de áreas mais planas ou mais montanhosas.

Esse sonar nos indicou uma estrutura totalmente inesperada: no penúltimo dia de nossa expedição, na região sul dos recifes, nos demos conta de que estávamos em cima de um grande paredão rochoso com cerca de 70 metros de altura e 10 quilômetros de comprimento. “Apelidamos o paredão de Falha do Joel, uma homenagem ao capitão. Foi ele quem mapeou o paredão em nossa viagem”, conta Nils Asp, docente da Universidade Federal do Pará.

Vimos o paredão apenas com uma câmera submersa, mas ao que tudo indica, ele é feito de rocha ígnea e maciça, provavelmente granito. E no topo dele havia alguns corais. “Se comprovarmos que é realmente granito, vai ser algo bem importante. Não existe nenhum relato desse tipo de rocha numa área de 50 mil quilômetros quadrados aqui na plataforma em que estamos”, diz Nils. A descoberta também se conecta à própria existência dos recifes da Amazônia. “Esses pontos rochosos podem ter colaborado para que os recifes existissem aqui”, diz Nils.

Segundo Nils, se temos rocha, a topografia da bacia aqui da foz do Amazonas é diferente do que se imaginava – e mais complexa. E mostra que sabemos pouco sobre a região e precisamos conhecê-la melhor. “Isso pode ter implicações grandes até mesmo para a ecologia ou para a geologia do petróleo. Dá indícios sobre como essa região se formou e pode impactar nos planos da empresas petrolíferas que querem explorar a região”, ele afirma.

Agora sabemos que a região dos recifes da Foz do Rio Amazonas é mais complexa do que imaginávamos. E, por isso, mais do que nunca juntamos forças para nossa campanha Defenda os Corais da Amazônia crescer. E, assim, evitar que empresas explorem a região.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A descoberta de um paredão misterioso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV