Há dez anos ASA promove o acesso à água de produção para famílias agricultoras do Semiárido

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Fevereiro 2017

Em 2007, a construção de tecnologias sociais para a produção de alimentos no Semiárido brasileiro ganhou escala com o início da ação do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) da ASA. Uma década depois, 136 mil famílias agricultoras, segundo dados do Governo Federal, guardam água da chuva - em reservatórios como cisternas-calçadão, barragens e barreiros - que antes seria desperdiçada pela falta de estrutura para armazená-la. Com esse estoque, as famílias se mantêm produtivas no período seco, inclusive, nas longas estiagens como a atual, que se estende por seis anos. Os alimentos são produzidos para autoconsumo e o excedente é comercializado, gerando renda.

A reportagem é de Verônica Pragana e publicado por Articulação do Semi-Árido - ASA, 07-02-2017.

Das 136 mil famílias agricultoras com as tecnologias de segunda água em todo o Semiárido, 69,7% foram atendidas diretamente pelo P1+2. Boa parte das demais famílias (as 30% restantes) foi contemplada com as tecnologias disseminadas pelas organizações da ASA via convênios com os governos estaduais utilizando a mesma metodologia do programa. Atualmente, estima-se uma demanda reprimida de 900 mil famílias agricultoras.

Na quinta-feira passada (2), o P1+2 completou 10 anos de realização do seu primeiro encontro de planejamento em um momento semelhante, quando se avalia e planeja as novas etapas do programa com financiamento da Fundação Banco do Brasil, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e Governo Federal. Além destes parceiros, ao longo da caminhada de uma década, as ações do P1+2 foram apoiadas também pela Petrobras, a Fundação Pepsico e o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS).

Conhecimento

Apesar das tecnologias terem um papel extremamente importante e impactante para a segurança alimentar das famílias difusas do Semiárido rural, um dos grandes trunfos da metodologia do P1+2 é o estímulo à construção de conhecimentos vindos dos próprios agricultores e agricultoras. Desconsiderada pela educação formal, essa sabedoria popular é um dos grandes tesouros que se multiplica e ganha força no programa.

São vários os momentos em que isto acontece: quando os agricultores e agricultoras se encontram nos cursos de formação sobre diversos assuntos relacionados com a convivência com o Semiárido, quando vão para os intercâmbios intermunicipais e interestaduais e quando têm sua experiência de vida sistematizada e transformada em boletins impressos numa tiragem de mil exemplares que são distribuídos pela família e se espalham por todo o Semiárido. A versão digital dos boletins também está disponível para acesso pelo portal da ASA.

“O P1+2 aumentou o cabedal da ASA na produção de conhecimento. Cada intercâmbio e cada boletim que o programa fez nestas 10 anos de existência contribuíram para que o conhecimento aumentasse e circulasse no Semiárido. E esse conhecimento, oriundo dos agricultores e agricultoras, foi e é instrumento da mudança do Semiárido para melhor”, destacou Naidison Baptista, coordenador executivo da ASA pelo estado da Bahia.

Semiárido

Esta região equivale a 12% do território nacional e concentra grande parte das propriedades da agricultura familiar do Brasil. Na Bahia, por exemplo, 2/3 das famílias agricultoras estão localizadas na faixa semiárida do estado. De acordo com o Censo Agropecuário 2006, a agricultura familiar é a base econômica de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes, responde por 35% do produto interno bruto nacional e absorve 40% da população economicamente ativa do país. Ela abastece os brasileiros e brasileiras com 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo consumidos no país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Há dez anos ASA promove o acesso à água de produção para famílias agricultoras do Semiárido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV