O Papa faz um alerta aos seminaristas: “o narcisismo é a tentação mais perigosa”

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Dezembro 2016

O Papa Francisco quer que seus padres sejam autênticos pastores, não funcionários do sagrado. Por isso, aproveita qualquer oportunidade para fustigar o vírus do clericalismo, que pode levar ao “narcisismo, a tentação mais perigosa”. Também pediu aos seminaristas do Pontifício Seminário Pio XI que saibam perdoar sempre e que recordem que, sem oração, não há caridade.

 A reportagem é de José Manuel Vidal e publicada por Religión Digital, 10-12-2016. A tradução é de André Langer.

Ao receber a comunidade do Pontifício Seminário Pio XI, da região italiana de Pulla, o Papa Francisco improvisou algumas palavras em um clima familiar e cordial, anunciando que o discurso preparado seria entregue a eles.

Nesse texto, são recordadas as suas palavras à Assembleia dos Bispos da Itália, sobre a identidade e o ministério dos presbíteros.

Insistindo na tríplice pertença ao Senhor, à Igreja e ao Reino, o que “não se improvisa, nem nasce depois da ordenação”, mas que se forma nos anos de seminário, cultivando-a e desenvolvendo-a com atenção e senso de responsabilidade, o Papa destacava em primeiro lugar que a palavra pertença traz consigo a ideia de sentir-se parte de um todo:

“Somente quando nos sentimos parte de Cristo, da Igreja e do Reino, poderemos caminhar bem nos anos de seminário. Para perceber o todo precisamos elevar o olhar, deixar de pensar que eu sou o todo da minha vida. O primeiro obstáculo que devemos superar é o narcisismo. É a tentação mais perigosa. Nem tudo começa e termina comigo; posso e devo olhar para além de mim mesmo, até perceber a beleza e a profundidade do mistério que me cerca, da vida que me supera, da fé em Deus que sustenta cada coisa e cada pessoa, também a minha”.

“Pertencer significa também saber entrar em relação. Devemos nos preparar para ser, sobretudo, homens que desenvolvem a relação” com Cristo, com os irmãos e com todas as pessoas, encoraja o Bispo de Roma.

“Com Cristo, com os irmãos com os quais compartilhamos o ministério e a fé, com todas as pessoas que encontramos na vida. E no seminário se começa a aprender a viver as relações... para que amanhã sejam sacerdotes que vivam no meio do povo santo de Deus, comecem sendo hoje jovens que sabem estar com todos, que sabem aprender algo de cada pessoa que encontram, com humildade e inteligência”.

Uma vez mais, o Papa exorta a colocar Cristo como fundamento de toda relação:

“E como base de todas as suas relações esteja sempre sua relação com Cristo: quanto mais o conhecerem e o escutarem, mais se unirão a Ele na confiança e no amor, façam com que seu amor seja o de vocês, coloquem-no em suas relações com os outros, sejam ‘canais’ do seu amor, mediante sua maturidade relacional. O lugar em que cresce a relação com Cristo é a oração, e o fruto maduro da oração é sempre a caridade”.

Em seguida, o Santo Padre alerta contra a exclusão e o descarte que se opõem à pertença:

“A pertença de vocês a Cristo pede-lhes que vão ao seu encontro, que o coloquem no centro, que o ajudem a sentir que também Ele faz parte da comunidade. Crescendo em seu sentido de pertença à Igreja poderão saborear a beleza da fraternidade, saibam conhecer o cansaço do perdão, nas coisas pequenas e grandes. Se nada na vida nos exclui do olhar misericordioso do Senhor, por que o nosso olhar teria que excluir alguém?”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa faz um alerta aos seminaristas: “o narcisismo é a tentação mais perigosa” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV