Bolívia abre arquivos de ditaduras militares

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS
  • “O racismo estrutura a sociedade brasileira, está em todo lugar”. Entrevista com Djamila Ribeiro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: João Flores da Cunha | 08 Dezembro 2016

O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia tornou públicos documentos secretos do período entre 1966 e 1979, em que o país foi governado por diferentes ditaduras militares. A cerimônia de abertura dos arquivos foi realizada no dia 21-11. Os documentos contêm informações sobre o Plano Condor, um acordo entre os governos militares de países da América do Sul e os Estados Unidos para eliminar dissidentes e opositores políticos.

Os documentos se referem a um período turbulento na história da Bolívia, que foi marcado por sucessivos golpes militares, instabilidade política e repressão violenta. O país teve cinco presidentes entre 1969 e 1971. O quinto deles foi o general Hugo Banzer, que, após liderar uma rebelião contra o então presidente, general Juan José Torres, governou como ditador até 1978.

Torres foi assassinado no exílio em Buenos Aires em 1976, após o golpe que instaurou a ditadura de Jorge Videla. Sua morte ocorreu no marco do Plano Condor.

O chanceler boliviano, David Choquehuanca, destacou na cerimônia de abertura dos arquivos que o período abarca o Plano Condor, a “etapa latino-americana mais sangrenta e cruel da ação coordenada dos ditadores, com apoio dos Estados Unidos, para a eliminação de milhares de pessoas”. Choquehuanca afirmou que a desclassificação dos documentos tem o objetivo de “recuperar a memória histórica dos acontecimentos do período das ditaduras”. As informações dos documentos diplomáticos podem ajudar a esclarecer a verdade sobre a ação dos diplomatas naquele momento, segundo o chanceler.

De fato, algumas informações já vêm surgindo à tona nos últimos dias. O jornal La Razón, de La Paz, revelou documentos que mostram que o padre jesuíta Luis Espinal era vigiado e perseguido pelas forças de segurança desde 1972.

Nascido na Espanha, o sacerdote chegou na Bolívia em 1968, onde realizou trabalho humanitário e jornalístico. Opositor dos regimes militares, ele foi sequestrado e assassinado por paramilitares em La Paz em 1980. “Era considerado indesejável pelo governo de Hugo Banzer e, ao que parece, eles tinham a intenção de eliminá-lo porque defendia os pobres e rejeitava as ditaduras”, afirmou ao La Razón a diretora do Arquivo Nacional do Ministério de Relações Exteriores, Raquel Lara.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolívia abre arquivos de ditaduras militares - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV