Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS
  • Líder indígena diz que “o Irmão Francisco” está arriscando sua vida pela Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Dezembro 2016

Marcelo Soares

Policiais militares e homens da Força Nacional que atuam no protesto de servidores na área da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) invadiram a Igreja de São José, que fica ao lado da casa legislativa, que usam como base para bombas de efeito moral na manifestação. A reportagem do UOL no local observou que os vidros do segundo andar da edificação foram quebrados.

A Igreja de São José foi construída em 1807. O templo já foi utilizado como igreja Matriz e Sé da cidade do Rio de Janeiro e, de acordo com o Iphan, não apenas a igreja, mas todo o seu acervo são tombados.

O UOL entrou em contato com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, que informou não ter sido consultada pela Polícia Militar sobre o uso do templo religioso.

Mauro Lopes

A inacreditável nota da arquidiocese do Rio

PMs invadiram a Igreja São José, depredaram-na e a usaram para lançar bombas contra pessoas num ato inusitado no país -na me recordo de algo semelhante nem no auge da ditadura.

Acaba de sair uma nota da Arquidiocese do Rio, aquela de dom Orani, aquele que foi abençoar Temer no dia da votação da PEC, lá no Palácio em Brasília. Adivinha.

Ela informa à praça que "buscará apurar os fatos".

Leia:

"A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, em face da utilização da Igreja São José, da Irmandade do Glorioso Patriarca São José, para uma ação relacionada aos protestos desta manhã, informa que buscará apurar os fatos. Destaca que, em face do contexto atual que marca o Estado do Rio de Janeiro, importa as soluções sejam buscadas através do diálogo e do esforço de todos, em vista da justiça e da paz".

São serviçais dos ricos e poderosos. Como disse o Papa sobre Trump, não podem ser considerados cristãos.

Mauro Lopes

A Arquidiocese do Rio de Janeiro soltou uma nota que envergonha a Igreja no Brasil a respeito da invasão, depredação e utilização da Igreja São José pela PM como "bunker" para atirar e lançar bombas contra pessoas que protestavam diante da Assembleia Legislativa. Na nota, a Arquidiocese fala de "uma ação relacionada aos protestos desta manhã" ´-quando o que houve foi uma invasão, depredação e utilização da Igreja para um ataque de caráter militar contra pessoas comuns. E diz que "buscará apurar os fatos", como se as fotos e filmes não fossem suficientes.

Veja o vídeo, é chocante - nem na ditadura se viu algo assim. Será que dom Orani e seus auxiliares não viram nada? Nenhum deles foi à Igreja para testemunhar o que acontecia?

Há protestos de dezenas de católicos no post com a nota na página da Arquidiocese no Facebook.

Para os que dizem que a Arquidiocese "ficou em cima do muro" é bom esclarecer: a nota é de quem escolheu um lado do muro.

André Vallias

Oficial de justiça à procura de Renan...

Gustavo Gindre

Eu fico pensando a cabeça do cidadão que não tem nenhum envolvimento direto com a política.
Primeiro, não está entendo nada (e nisso empatamos).
Mas, fundamental, ele está convencido de que são todos uns FDPs, ladrões, que só sabem pensar em si próprios.
Independente de quem vai levar essa parada, o fato é que todas as forças envolvidas estão empenhadas na total desmoralização da política como alternativa civilizatória.

Adriano Pilatti

A ex-querda, bestializada, descamba para o ridículo e não se cansa de defender o indefensável, tomou gosto. Em bom português: afronta ao Legislativo, humilhação ao Congresso é alguém com o prontuário de Renan (ou Cunha) continuar a presidi-lo, mesmo depois de se tornar réu. Vão lamber sabão.

Cesar Benjamin

Estou chocado com a chamada "reforma da Previdência" que o governo preparou. Confirma-se a minha intuição quando escrevi o artigo "O golpe é outro" na revista Piauí de maio deste ano. Um governo capenga e não eleito pretende, sem nenhum debate, desmontar o sistema de Seguridade Social instituído pela Constituição de 1988. É impossível exagerar a gravidade disso. Põe o Brasil em rota de desagregação, em alguns anos.

O artigo em que tentei explicar isso está no link: "Pelo andar da
carruagem, não haverá debate nenhum. Um governo não eleito
e um Congresso desmoralizado, contando com grande banda de
música na imprensa, formarão um rolo compressor sobre a
cidadania, impondo mudanças regressivas no meio de uma crise
social já enorme. Não sabemos para onde isso vai nos levar."
Um abraço,
Cesar Benjamin

http://www.contrapontoeditora.com.br/…/201605200907560.ogol…

Adriano Pilatti

Lançado o programa de servidão perpétua. Se o(a) trabalhador(a) começar a contribuir aos 18 anos, só receberá o mata-fome integral se trabalhar até os 67, oito anos e cinco meses antes de atingir a expectativa média de vida. O(a)s mais pobres, com trabalhos mais embrutecedores e debilitadores, morrem bem antes. Mas os grandes patrimônios e rendas continuarão com seu paraíso fiscal privé. É a República dos Patifes na sua mais completa tradução. De todo modo, uma análise exaustiva da proposta demanda algum estudo e reflexão.

Vera Rodrigues

FHC sugere emenda pra eleição direta, "caso o governo se inviabilize" (MAIS?) e vai ser testemunha de defesa do Lula. Parece que o golpe tramado pela CIA ganha um novo roteiro: "estão disfarçando".

Gustavo Gindre

Senado aprovou hoje doação de dezenas de bilhões de reais para as teles.

Na calada, no meio dessa confusão, o Senado aprovou hoje projeto de lei que permite acabar com as concessões de telefonia fixa.

Isso significa que no limite acabam as regras de universalização da telefonia fixa e que os bens usados na prestação do serviço não precisam mais ser devolvidos à União. Só a Oi tem 7.499 imóveis que pertenciam à União e agora se tornaram bens privados.

A companheira Kátia Abreu votou a favor dessa mudança. Lindbergh, Gleisi e Paim simplesmente se ausentaram da reunião da comissão que aprovou o projeto. Foram 11 votos a zero.

Rudá Guedes Ricci

Agora é certo: derrubaram Dilma, mas não sabiam o que propor como alternativa. Estão destruindo o Brasil.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV