Papa anuncia novos cardeais. Um breve perfil. Três são latino-americanos. Um é brasileiro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A liberdade é vazia sem a solidariedade.” Entrevista com Massimo Recalcati

    LER MAIS
  • Livro entrelaça a prática eucarística com as realidades sociais, econômicas e ecológicas

    LER MAIS
  • O próximo papa: um pedido de mudança. Artigo de George Weigel

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Outubro 2016


Novos rostos no colégio dos cardeais. “Com alegria anuncio que no sábado, 19 de novembro, na vigília da conclusão do jubileu, terei um consistório para a nomeação de 13 novos cardeais, de 11 nações”, falou o Papa Francisco no Angelus, da manhã deste domingo, 09-10-2016. No dia 20 celebrarei a missa com eles”.


A informação é de Giacomo Galeazzi, publicada por Vatican Insider, 09-10-2016. A tradução é de IHU On-Line.

Francisco designou 17 novos cardeais: 13 são possíveis eleitores num eventual Conclave, entre os  quais o núncio apostólico na Síria, Mario Zenari, que permanece, contudo, na nunciatura de Damasco. E quatro que tem mais de 80 anos e, portanto, não são eleitores.

Os 13 eleitores são:

- Mario Zenari, italiano, que o Papa anunciou que permanecerá “núncio na martirizada Síria”; (1)

- Dieudonne Nzapalainga, arcebispo de Bangui, na República Centro Africana; (2)

- Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, Brasil; (3)

- Blaise Cupich, arcebispo de Chicago, EUA;

- Carlo Osoro Sierra, arcebispo de Madrid, Espanha;

- Patrick D’Rozario, arcebispo de Dhaka, Bangladesh; (4)

- Baltazar Enrique Porras Cardozo, arcebispo de Merida, Venezuela;

- Jozef De Kesel, arcebispo de Maline-Bruxelles, Bélgica; (5)

- Maurice Piat, arcebispo de Port Louis, Ilha Maurizio; (6)

- Kevin Farrell, prefeito do dicastério para os leigos, família e vida;

- Carlos Aguiar Retes, arcebispo de Tlalnepantla, México; (7)

- John Ribat, arcebispo de Port Moresby, Papua Nova Guiné; (8)

- Joseph William Tobin, arccebispo de Indianapolis, EUA. (9)

Os quatro novos cardeais anunciados pelo Papa, que, tendo superado os 80 anos, e que não serão eleitores num eventual novo conclave, são:

- Anthony Soter Fernandez, arcebispo emérito de Kuala Lumpur, Malásia;

- Renato Corti, arcebispo emérito de Novara, Itália; (10)

- Sebastian Koto Khoarai, bispo emérito de Mohale’s Hoek, Lesotho; (11)

- Ernest Simoni, padre da arquidiocese de Shkodre-Pult, Albania.

A repartição geográfica dos cardeais eleitores anunciados neste domingo pelo Papa, é esta: três europeus, três da América Latina, três dos EUA, dois africanos, um asiático e um da Oceania.

Particularmente comovente é a história de um dos novos purpurados acima de 80 anos.

No dia 20 de abril deste ano, Francisco reconheceu o padre Ernest Simoni na Audiência Geral e lhe beijou as mãos. Um gesto que expressou uma ideia reiterada por Francisco: também os sobreviventes das perseguições de hoje e de ontem, são mártires. “É com um beijo nas mãos – confirmou naquele dia o jornal L’Osservatore Romano – que Francisco acolheu na manhã de hoje o padre Ernest Simoni, albanês, que passou 28 anos na prisão: o Papa, comovido, o abraçara no dia 21 de setembro de 2014, em Tirana, depois de ter ouvido a história da sua perseguição que durou 11 mil dias, durante os quais o padre Ernest foi torturado e submetido a trabalhos forçados”.
 
O papa, voltando, no domingo passado, de Baku, Azerbaijão, dissera no avião que tinha a intenção de nomear novos cardeais: “A lista é longa, mas há somente 13 lugares. E se deve ter equilíbrio. Gosto que se veja, no Colégio cardinalício, a universalidade da Igreja: não somente o centro, ou seja, ‘europeu’, mas de todas as partes. Os cinco continentes, se for possível”.

Notas da IHU On-Line:

1.- Mario Zenari é o único italiano criado cardeal neste domingo, que participa de um eventual conclave. Observadores ressaltam que ele é primeiro da lista. A opção de Francisco manifesta a preocupação e a solicitude para com a situação dramática da Síria. Segundo Francisco, 'a Síria martirizada".

2.- Dieudonné Nzapalainga é mais jovem cardeal deste consistório. Ele nasceu em 1967. É religioso da Congregação dos Padres Espiritanos como também, no Brasil, o arcebispo de Manaus. Fez o mestrado em teologia no Centro Sèvres, em Paris, dos jesuítas. Participou do último Sínodo dos Bispos e organizou a visita do Papa Francisco à República Centro Africana, onde foi aberta pelo Papa a primeira Porta Santa do Ano Jubilar da Misericórdia.

Ele é comprometido totalmente com o processo de paz no País. Em 2013 participou, com o Presidente do Conselho Islâmico e o Presidente da Aliança Evangélica, em Bangui, da fundação da Plataforma inter-religiosa pela paz no País. Ele é primeiro cardeal da República Centro Africana.

3.- Sérgio da Rocha é oriundo da diocese de São Carlos, SP, tendo trabalhado muitos anos na Arquidiocese de Campinas. Foi bispo auxiliar de Fortaleza e arcebispo de Teresina. Atualmente é arcebispo de Brasília, DF, e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB. É o segundo cardeal de Brasília.

4.- Patrick D’Rozario, arcebispo de Dhaka, é religioso da Congregação da Santa Cruz. É o primeiro cardeal de Bangladesh.

5.- Jozef De Kesel, Arcivescovo, é arcebispo de Malines-Bruxelles tendo sido nomeado pelo Papa Francisco. Ele é doutor em teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana com a tese "Le refus décidé de l’objectivation. Une interprétation du Jésus historique dans la théologie chez Rudolf Bultmann».

O vaticanista Sandro Magister, sempre muito crítico em relação ao atual pontificado, ressalta que antecessor de De Kesel não foi feito cardeal por Francisco. Mas que o atual arcebispo é um discípulo de Godfried Danneels, cardeal arcebispo emérito de Bruxelas e que foi sucedido por André-Joseph Léonard. Segundo Magister, Danneels participou "de San Gallo, o clube cardinalício dos grandes eleitores de Bergoglio no conclave fracassado de 2005 e no vitorioso de 2013".

6.- Maurice Piat, arcebispo de Port Louis, Ilhas Maurício, foi presidente da Conferência Episcopal do Oceano Índico de 1996 a 2002 e de 2013 a 2016. Desde 2000 é membro do Comitê Permanente do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madasgacar. Participou, em 2015, do Sínodo dos Bispos sobre a Família.

7.- Aguiar Retes, arcebispo de Tlalnepantla, no México, foi presidente da Conferência Episcopal Mexicana de 2006 a 2012 e presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano - CELAM - entre 2011 e 2015. Ele estudou no Pontifício Instituto Bíblico de Roma e fez o doutorado em Teologia Bíblica na Pontifícia Universidade Gregoriana. Tanto em 2014 como em 2015 participou da Assembleia dos Sínodo dos Bispos sobre a Família, indicado por Papa Francisco.

8.- John Ribat, arccebispo de Port Moresby, Papua Nova Guiné, é religioso dos Missionários do Sagrado Coração. Desde 2014 é presidente da Federação da Federação das Conferências dos Bispos Católicos da Oceania. É o primeiro cardeal de Papua Nova Guiné.

9.- Joseph William Tobin, arccebispo de Indianapolis, EUA, é religioso redentorista. Ele foi Superior Geral dos Redentoristas. Quando era secretário da Congregação para os Institutos de vida consagrada e Sociedades de vida apostólica, foi eleito arcebispo. Segundo alguns vaticanistas, por ter defendido a causa da religiosas americanas, então sob investigação pelo Vaticano, Bento XVI o nomeou arcebispo de Indianópilis.

10.- Renato Corti, arcebispo emérito de Novara, é reconhecido na Itália com um fiel seguidor do cardeal Carlo Maria Martini. Ele foi durante muitos anos bispo auxiliar de Milão, sob o pastoreio de Martini.

11.- Sebastian Koto Khoarai, bispo emérito de Mohale’s Hoek, Lesotho, é religioso Oblato de Maria Imaculada. É o primeiro cardeal de Lesotho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa anuncia novos cardeais. Um breve perfil. Três são latino-americanos. Um é brasileiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV