‘Da leveza’

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • A face perversa da Plataforma Lattes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Setembro 2016

"O universo consumista tende a se mostrar como um universo esvaziado de toda gravidade ideológica, de toda dimensão de sentido. O leve, quer seja compreendido no sentido próprio ou no sentido figurado, tornou-se um dos grandes espelhos em que nossa época se reflete", escreve  Gilles Lipovetsky, filósofo e sociólogo, em artigo publicado por Nexo, 14-09-2016.

Eis o artigo.

Nunca vivemos em um mundo material tão leve, fluido e móvel. Nunca a leveza criou tantas expectativas, desejos e obsessões. Nunca ela incentivou tanto o comprar e o vender. Nunca o que Nietzsche escreveu soou tão justo aos nossos ouvidos: “É bom o que é leve; tudo o que é divino se move com pés delicados.”

O leve preenche cada vez mais nosso mundo material e cultural; invadiu nossas práticas comuns e remodelou nosso imaginário. Antes admirado apenas no campo da arte, tornou-se um valor, um ideal, um imperativo nas mais variadas esferas: objetos, corpo, esporte, alimentação, arquitetura, design. Em toda parte se afirma, no coração da era hipermoderna, o culto polimorfo da leveza. Seu campo era circunscrito e periférico: não vemos mais seus limites, pois ele se imiscui em todos os aspectos de nossa vida social e individual, nas “coisas” e nos seres, nos sonhos e nos corpos.

Durante muito tempo, na esfera tecnoeconômica, a prioridade foi dada aos equipamentos pesados. Agora é dada ao ultraleve, à miniaturização, à desmaterialização. O pesado evocava respeito, seriedade e riqueza; o leve, a quinquilharia, a ausência de valor. Este universo não é mais o nosso. Vivemos uma imensa revolução do mundo material, na qual as tecnologias e os mercados remetem muito mais às lógicas do leve do que às do pesado. E esta dinâmica se complementa de uma revolução simbólica, na medida em que o leve, por tanto tempo inferiorizado e desprezado, foi adquirindo um valor positivo. A leveza não está mais associada à falta, mas à mobilidade, ao virtual, ao respeito ao meio ambiente. Este é o tempo da revanche do leve – um leve admirado, desejado, que captura sonhos, mensageiro de enormes prome ssas e também de terríveis ameaças.

A leveza como mundo e como cultura

A leveza não se limita mais a uma agradável fantasia poética. Ela remete ao nosso cotidiano tecnológico, a um universo que se tornou transitório e nômade. “Small is better”: nosso cosmo técnico irresistivelmente miniaturiza-se, torna-se mais leve, desmaterializa-se. Ouvimos qualquer música do mundo em aparelhos leves como o ar. Vemos filmes em tablets com telas sensíveis ao toque que cabem no bolso. Microeletrônica, microrrobótica, microcirurgia, nanotecnologia, o infinitamente pequeno se impõe como a nova fronteira da inovação e do progresso. De agora em diante, a leveza está menos no estilo que nos novos materiais, nas redes digitais, na extrema miniaturização. Passamos da leveza imaginária à leveza do mundo.

A miniaturização e a conquista do minúsculo estão comprometidas em uma corrida hiperbólica. A época vê o nascimento da “engenharia liliputiana”, que manipula os átomos como bem quiser, transforma as propriedades da matéria, cria novos materiais, manipula os genes, funde a matéria viva e a matéria inerte em escala nanométrica. A revolução da leveza não vem do imaginário ficcional: ao investir na esfera submicroscópica, ela inventa um mundo que afeta todos os setores da vida. Uma nova era da leveza começa, e ela coincide com seu momento “high-tech”.

Ao mesmo tempo, para responder aos desafios do esgotamento dos recursos fósseis, do peso da pegada de carbono do aquecimento climático, afirma-se a exigência de uma mudança energética, de uma nova revolução industrial baseada não mais no petróleo e no nuclear, mas nas energias renováveis. Energia eólica, solar, geotérmica, marinha: somos testemunhas da expansão das energias alternativas e do início de uma “economia leve” que, ao mobilizar menos matérias-primas e não se basear mais na exploração intensiva dos recursos naturais, reduz seu impacto sobre o meio ambiente. Esse trabalho representado pela transição energética pode ser qualificado de “hercúleo”. Ele não deixa de ser necessário para preservar o futuro das próximas gerações e para constituir uma civilização do leve-sustentável.

O desejo de leveza se expressa nos campos mais diversos: moda, design, decoração, arquitetura. Da mesma forma, a relação com o corpo vê irromper as paixões pelo aéreo e pela “linha”. Nos ares planam os parapentes e as asas-delta; sobre as ondas, as pistas de neve e o asfalto evoluem corpos aéreos que se entregam aos esportes de deslizamento. E quem, hoje em dia, não sonha em manter o corpo eternamente jovem e esbelto? Os livros de dieta proliferam, os produtos “light” podem ser encontrados nas prateleiras de todos os supermercados, a lipoaspiração torna-se uma prática de massa, as academias de ginástica florescem, as top models apresentam um visual “anoréxico”, as imagens do corpo liso e longilíneo invadem revistas e telas. Nessa cultura, que se tornou lipofóbica, “nada é tão bom quanto a magreza”, declara o ícone da moda, Kate Moss.

A ligação com o imediato, o superficial e o leve não se reduz mais a uma atitude individual em relação à vida ou aos outros.

Ela agora se impõe como modo de funcionamento econômico e de cultura global. Com o capitalismo de hiperconsumo, setores inteiros da vida econômica se veem reestruturados pela lógica frívola da eterna mudança, da inconstância e da sedução. Um funcionamento análogo ao sistema da moda organiza o capitalismo hipermoderno nos mesmos moldes do capitalismo da sedução. “Gadgets’, propagandas divertidas, reality shows e games, música popular e de programas de auditório, espetáculos e animações contínuas: a oposição entre o econômico e o frívolo se embaralhou; nosso princípio de realidade se confunde agora com o princípio de superficialidade. Uni verso da necessidade e universo fútil se entrelaçam, se cruzam, se hibridam: a lógica da leveza não é mais o “outro” da realidade econômica; ela é seu coração.

Vivemos a era do triunfo da leveza tanto no sentido próprio como no figurado do termo. É uma cultura cotidiana de leveza midiática que nos governa, uma vez que o universo do consumo não para de exaltar os referenciais hedonistas e lúdicos. Por meio dos objetos, do lazer, da televisão, da publicidade, difunde-se um clima de diversão permanente e de incentivo para que se “aproveitem” os prazeres imediatos e fáceis. Ao substituir a repressão pela sedução, o dever intransigente pelo hedonismo, a solenidade pelo humor, o universo consumista tende a se mostrar como um universo esvaziado de toda gravidade ideológica, de toda dimensão de sentido. O leve, quer seja compreendido no sentido próprio ou no sentido figurado, tornou-se um dos grandes espelhos em que nossa época se reflete.

Na era hipermoderna, a vida dos indivíduos é marcada pela instabilidade, pois está entregue à mudança perpétua, ao efêmero, ao “mudancismo”.

Não faz muito tempo, as classes populares e as classes superiores se diferenciavam pelos estilos de vida baseados em importantes oposições: o pesado e o “grosseiro” para as classes populares; o leve, o fino e o que tem estilo para as classes superiores. Saímos desse universo de “habitus” díspares, pois, com o desmoronamento das culturas de classe, o pesado e o abundante são desqualificados em todos os grupos; cada um se mostra agora ávido por leveza em matéria de alimentação, aparência pessoal, mobilidade, comunicação e estilo de vida. Todos os grupos sociais integraram em seu imaginário e em várias de suas práticas o valor da leveza. As efetivas maneiras de viver dos diferentes grupos que formam a sociedade não são evidentemente similares, longe disso. Contudo, essas diferenças reais se exibem tendo como fundo uma cult ura que celebra, de cima para baixo da sociedade, o esbelto, a moda, o lazer, a mobilidade, o virtual. O mundo social está clivado, mas as normas da leveza triunfam em todos os níveis.

A utopia da leveza

As transformações da vida coletiva e individual ilustram de outra maneira a tendência ao leve. Em ruptura com a primeira modernidade – rígida, moralista, convencional –, afirma-se uma segunda modernidade de tipo “líquido” (Zygmunt Bauman) e flexível. Na era hipermoderna, a vida dos indivíduos é marcada pela instabilidade, pois está entregue à mudança perpétua, ao efêmero, ao “mudancismo”. As pesadas imposições coletivas deram lugar ao self-service generalizado, à volatilidade das relações e dos engajamentos. Essa é a dinâmica social da hipermodernidade que institui o reino de um individualismo de tipo nômade e zapeador. A individualização extrema da relação com o mundo constitui a principal dinâmica social situada no coração da revolução do leve. A vida sexual é livre, a família e a religião desinstitucionalizadas; os costumes e os indivíduos querem ser cool. Livres nas esferas religiosa, familiar e ideológica, os indivíduos “desligados”, soltos, desapegados funcionam como átomos em estado de flutuação social. Não sem efeitos paradoxais.

Nesse contexto, não esperamos mais uma “terra que mana leite e mel”, não sonhamos mais nem com revolução nem com libertação: sonhamos com leveza. Uns trilham o caminho consumista do “sempre mais” para esquecer ou aliviar seu presente. Outros opõem a leveza “verdadeira” a essa leveza mercantil declarada “falsa” e alienante. Nesse caso, “mudar de vida” significa se livrar dos fardos excessivos que pesam sobre nossas existências, combater a leveza opressiva do consumismo por meio das tecnologias da leveza interior. Esse é o momento do “detox”, mas também da meditação, da ioga, das técnicas de relaxamento, “feng shui”, do bem-estar, em suma, de tudo aquilo que permite “sentir-se bem com o corpo e a cabeça”. Inúmeros são os livros que ambicionam fornecer as chaves para a libertação dos pesos do materialismo avassalador.

Incontáveis são os artigos de revistas que exaltam a simplicidade, a frugalidade, a ideia de destralhar a vida: menos coisas para uma vida interior mais rica, mais equilibrada, mais elevada. Às utopias do desejo, sucederam as expectativas de leveza do corpo e do espírito, de uma vida cotidiana menos estressante, de um presente menos pesado de carregar: viver melhor não se separa mais da leveza de ser. Bem-vindos à era das utopias do menos, das utopias “light”

Da leveza

Gilles Lipovetsky
Apresentação de Juremir Machado da Silva
Tradução de Idalina Lopes
Editora Amarilys
304 páginas
Lançamento previsto para setembro

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Da leveza’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV