Temer adia ratificação de acordo do clima

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Agosto 2016

Cerimônia havia sido marcada para esta segunda-feira e só deverá ocorrer em 12 de setembro; com isso, Brasil não deverá mais ser o primeiro grande emissor de gases-estufa a ratificar Paris.

A informação foi publicada por Observatório do Clima, 28-08-2016.

O presidente em exercício, Michel Temer, adiou para 12 de setembro a cerimônia de ratificação do Acordo de Paris. O evento havia sido marcado pelo governo para as 16h desta segunda-feira (29) e, até o meio-dia deste domingo, ainda constava na agenda oficial do presidente.

Com o adiamento, o Brasil provavelmente não será mais o primeiro grande emissor de gases de efeito estufa a ratificar o acordo do clima. As adesões de China e EUA são esperadas para a primeira semana de setembro.

A ratificação pelo Brasil ocorreria no mesmo dia em que a presidente afastada, Dilma Rousseff, será ouvida no Senado. A decisão final do Senado sobre o mandato de Dilma deve ser conhecida já no meio da semana, mas Temer viaja para a China na sequência para a cúpula do G20, dias 4 e 5. A semana seguinte é a do feriado de Independência.

“Embora o contexto político do Brasil seja realmente delicado, o adiamento da ratificação é preocupante, pois mais uma vez a agenda de clima, que deveria ser absolutamente prioritária para o Estado brasileiro, fica refém da conjuntura”, disse Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. “Crise por crise, a climática é muito mais grave e pesará muito mais no futuro de todos.” 

Leia mais...

Campanha ‘Ratifica Já’, pela aprovação do Acordo do Clima no Congresso, é lançada em Brasília

Acordo de Paris enfrenta desafios econômicos para cumprir metas

“A nova economia tem que estar casada com a ecologia”. Entrevista especial com Carlos Rittl

Acordo de Paris sobre o clima é aprovado pelo Plenário e vai à promulgação

Brasil ratificará acordo do clima na segunda

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temer adia ratificação de acordo do clima - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV