Arquivos da ditadura ao alcance do público, na Unisinos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Agosto 2016

Documentos da ditadura militar, em especial do período entre 1966 e 1991, estarão disponíveis para o público, de forma gratuita, na Unisinos. Ao todo, 17.635 arquivos serão disponibilizados em plataforma digital. É o segundo maior acervo – o primeiro é o de São Paulo, com 20.185 documentos, e o terceiro, o do Rio de Janeiro, com 17.333.

A reportagem é de Léo Gerchmann, publicada por Zero Hora, 30-08-2016.

A universidade receberá hoje a visita do professor Grimaldo Zachariadhes, coordenador do Núcleo de Estudos Sobre o Regime Militar. O historiador fará a entrega dos Arquivos Digitais do Serviço Nacional de Informações (SNI) – Agência RS, a partir das 17h, na sala Santander do campus Porto Alegre. Em seguida, será lançado o livro do pesquisador sobre a época, 1964: 50 anos depois, a ditadura em debate, em parceria com o Arquivo Nacional.

– É um acervo inédito. Havia agências regionais do SNI, com informações fornecidas pelos arapongas gaúchos. Houve muita destruição de documentos. A estimativa é de que 20% estejam preservados – afirma Zachariadhes.

Histórico de preservação da memória para a escolha do local

O material que chega à Unisinos, reunido pelo projeto Resgate da História, consiste no mapeamento e na coleta da documentação digitalizada nos arquivos do Sudeste e de Brasília. No total, foram reunidos cerca de 500 mil documentos de vários acervos e organizações. Em cada região do país, uma instituição foi escolhida para ser o centro de referência do arquivo digital e responsabilizar- se pela guarda e disponibilização das informações.

No Rio Grande do Sul, essa tarefa ficou a cargo da Unisinos. A escolha se deu devido ao compromisso da universidade em disponibilizar os documentos a todas as pessoas de forma gratuita, ao ambiente que sua biblioteca oferece e ao histórico de preservação da memória – a universidade já é a guardiã do Memorial Jesuíta.

– Temos esse material porque a ditadura brasileira foi muito burocrática. Foi a ditadura mais burocrática entre todas as da América do Sul. Os documentos mostram a ênfase que os arapongas davam para a questão dos costumes. Havia muita perseguição, chantagens. Esses arquivos mostram que a ditadura brasileira foi ainda pior do que se fala, era ampla. Perseguia esquerda armada, a esquerda moderada e também grupos conservadores – diz Zachariadhes, citando como exemplo investigações aos testemunhas de Jeová.

Historiador aponta que havia uma série de chantagens

Havia diversos tipos de arapongas, e o SNI diferenciava os “oficiais” dos “cachorros” – delatores voluntários. Destacam-se as investigações sobre a sexualidade. Zachariadhes supõe que, a partir dessas informações, ocorriam chantagens.

Uma caracterização corriqueira era de “maconheiro, esquerdista e pederasta passivo”. Outra era a que atribuía ao investigado “indiferença ou impotência sexual”. Também a atuação da imprensa era acompanhada anualmente e em detalhes, um controle permanente. Eram citados nomes de jornalistas e a preferência ideológica de cada um deles. Havia comentários como o de que determinado meio de comunicação não publicava informações positivas em razão da suposta “infiltração comunista”.

O evento

O que é: entrega da doação dos Arquivos Digitais do SNI. Em seguida, será lançado o livro 1964: 50 anos depois, a ditadura em debate
Local: Sala Santander – Campus Unisinos Porto Alegre (Av. Luiz Manoel Gonzaga, 744 – Bairro Três Figueiras)
Horário: das 17h às 18h

Disponibilização do acervo

A partir desta quinta-feira, 1º de setembro
Agendamentos: não serão necessários
Horário para consultas: das 8h às 22h, de segunda a sextas-feira
Local: Biblioteca da Unisinos em São Leopoldo e, a partir de março, também no campus de Porto Alegre
Custo da consulta: gratuita

Leia mais...

Relatos expõem ‘ciência’ da tortura na ditadura militar

A morte dos direitos humanos na ditadura militar

Regime militar: A trajetória da mentira. Revista IHU On-Line, n 439

A ditadura vai ao cinema: 30 anos de filmes sobre o regime militar

Livro sobre a ditadura militar e o genocídio dos Waimiri–Atroari foi lançado em Roraima

11 filmes para entender a Ditadura Militar no Brasil

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arquivos da ditadura ao alcance do público, na Unisinos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV