Brasileiro tem medo de transgênico, diz pesquisa

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Tuitadas

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Assim arma-se a próxima crise financeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Agosto 2016

Ao ouvir a palavra "transgênicos", algumas pessoas sentem calafrios, e mesmo quem gosta de ciência e biotecnologia tem um pé atrás com os organismos geneticamente modificados.

A reportagem é de Gabriel Alves, publicada por Folha de S. Paulo, 24-08-2016.

O cenário foi mostrado por uma pesquisa do Ibope Conecta, que coletou pela internet as respostas de 2.011 pessoas, de todas as regiões do país, das classes A, B e C e que não trabalham com biotecnologia e áreas correlatas. A pesquisa foi encomendada pelo Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB).

A maioria (cerca de 80%) gosta de ciência e soube responder o que são transgênicos, mas 33% acham que consumi-los pode fazer mal.

Isso apesar da pesquisa publicada em maio pela Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA que concluiu, após analisar mais de mil estudos, que os organismos geneticamente modificados, existentes desde a década de 1970, não só não trazem riscos à saúde como, se usados corretamente, propiciam benefícios para agricultores e ambiente.

Os pesquisadores não encontraram qualquer evidência de que esses organismos tiveram impacto sobre as prevalências de câncer, obesidade, diabetes, autismo, doença celíaca ou alergias.

Não é claro, no entanto, se a tecnologia realmente aumenta a produtividade da agricultura.

Para Adriana Brondani, diretora-executiva do CIB, "houve uma falha de comunicação do agronegócio, dos cientista e da sociedade". "A propaganda contrária ganha aderência porque há um hiato de conhecimento da população, por causa da falta de informação", diz.

A pesquisa mostra que as pessoas nem sabem quais são as plantas transgênicos cultivadas no país – soja, algodão e milho, principalmente. Só 11% acertaram a combinação.

O motivo de tão poucas espécies é a rentabilidade de cada uma delas, explica a professora Maria Lúcia Vieira, professora titular da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP.

"É igual à indústria automobilística. Se não tiver lucro, não vende. Por isso há poucos e a área plantada é tão grande. Também há uma vantagem para o agricultor, que planta a semente da planta transgênica e depois passa o herbicida –o mato morre e a planta de lavoura, não", diz.

Resistência

A inserção ou substituição de um gene em uma espécie pode fazer com que ela, por exemplo, seja mais resistente a intempéries, herbicidas ou pragas –ou fazer com que ela própria produza um larvicida, caso do milho Bt (abreviação do organismo doador Bacillus thuringiensis, que produz naturalmente uma proteína larvicida).

Talvez a raiz do problema dessa relutância popular esteja na primeira variante transgênica de soja, hipotetiza Maria Lúcia.

"A Monsanto tinha tanto a semente quanto a molécula para a qual a planta era resistente [o agrotóxico glifosato]. Foi um erro vender as duas coisas. Não houve um trabalho de conscientização, de que a tecnologia dos transgênicos não tem necessariamente a ver com herbicidas."

Segundo a professora, apesar de haver alarde, as pessoas não deveriam se preocupar por ingerir transgênicos. "Os produtos comercializados são absolutamente seguros."

A principal destinação de milho, soja e algodão (além de tecido, no caso do último), é a alimentação de porcos, galinhas e gado bovino, explica. "O frango nosso de cada dia é alimentado com o milho transgênico. O susto também não faz sentido porque quem consome a maior parte dos transgênicos são os animais."

DNA

Na pesquisa, muita gente reagiu mal ao ser informada que ingere DNA –73% se disseram preocupadas. Mesmo entre as que gostam de ciência, o número não foi muito mais baixo, 57%.

A molécula de DNA está presente em todo tipo de alimento que um dia foi vivo. Ao ser digerido, esse DNA é "reciclado" para formar o DNA de nossas próprias células.

E o DNA transgênico é tão DNA quanto o "original". O risco carregado pelos transgênicos não está no "excesso" de DNA (apenas mais um gene entre milhares), e sim no metabolismo da planta.

Em uma trama complexa de reações químicas, não dá para ter certeza que, ao mexer em uma reação química aqui, o resultado não será o acúmulo de um metabólito tóxico para humanos acolá.

Por isso, são necessários os testes em animais para aferir a eventual toxicidade desses alimentos. "Por ser muito dinheiro investido, dificilmente a indústria pede aprovação de um produto com falhas", diz Maria Lúcia.

Um dos problemas, diz, é quando há um parente silvestre que pode ser ameaçado pela planta transgênica, caso em que a licença de comercialização pode ser negada.

Leia mais...

Sobre transgênicos, hidrelétricas e o mau uso de informação. Greenpeace responde artigo de José Goldemberg

Transgênicos e hidrelétricas

Transgênicos: mais uma trapaça

Agrotóxicos-transgênicos: um rolo compressor está sendo passado sobre o direito do consumidor

Pesquisa indica que transgênicos podem oferecer riscos para a biodiversidade

Soja transgênica: “lavouras tomarão banhos dos três venenos”. Entrevista especial com Leonardo Melgarejo

"As sementes transgênicas não são mais produtivas, nem foram planejadas com este objetivo". Entrevista especial com Leonardo Melgarejo

Transgênicos para a soberania alimentar, uma proposta inédita

A transgenia e a ilusão de desenvolvimento agrícola da América do Sul. Entrevista especial com Enrique Castañón

Contra os transgênicos. O apelo de cientistas ao Papa

Transgênicos e agrotóxicos. Tudo a ver? Entrevista especial com Alan Tygel

Transgênicos: enquanto o mundo recusa, o Brasil aprova. Entrevista especial com João Dagoberto dos Santos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasileiro tem medo de transgênico, diz pesquisa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV