O papa e os 400 líderes em Assis pela paz

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar', denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Agosto 2016

"O encontro de Assis será uma voz forte para a misericórdia e a paz, um caminho para construir pontes de diálogo e derrubar os muros de indiferença e violência. Aquela semente semeada por Francisco em 1219 com o sultão Malik al-Kamil em plena Cruzada continua produzindo os seus frutos."

Publicamos aqui a carta do padre Enzo Fortunato, jornalista e diretor da Sala de Imprensa do Sacro Convento de Assis, enviada ao diretor do jornal Corriere della Sera, 19-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Caro diretor,

O Papa Francisco volta a Assis. Ele havia estado lá no dia 4 de agosto como peregrino, para dizer que "o mundo precisa de perdão" e que "oferecer o testemunho da misericórdia é uma tarefa à qual ninguém pode se isentar".

Perdão e paz: esse é o caminho indicado pelo Papa Francisco diante da escalada de atos e atentados de violência, de guerras velhas e novas que semeiam miséria e sangue. Ninguém pode se isentar de gestos de perdão e paz.

É por isso que se torna fundamental o anúncio de que o pontífice voltará a Assis no dia 20 de setembro para participar da conclusão do Dia Mundial de Oração pela Paz "Sede de paz. Religiões e culturas em diálogo", promovido pelas famílias franciscanas, pela Comunidade de Santo Egídio e pelos bispos da Úmbria, por ocasião do 30º aniversário do encontro desejado por João Paulo II.

Trinta anos atrás, eram cerca de 20 os líderes religiosos. No dia 20 de setembro, serão mais de 400, de Bartolomeu I ao primaz da Igreja Anglicana, do presidente da África Central ao imã de Damietta, no Egito, dos expoentes budistas do Japão ao sociólogo Bauman.

Serão milhares os peregrinos para dar calor a um evento em um momento dramático: as barreiras e os detectores de metal que costeiam os complexos monumentais de Assis são um sinal tangível disso.

Será uma voz forte para a misericórdia e a paz, um caminho para construir pontes de diálogo e derrubar os muros de indiferença e violência. Aquela semente semeada por Francisco em 1219 com o sultão Malik al-Kamil em plena Cruzada continua produzindo os seus frutos.

Leia mais:

Líderes religiosos do mundo irão se reunir em recordação do 30º "Espírito de Assis"

Assis, o abraço do papa no imã: "O mundo precisa de perdão"

“O mundo tem necessidade de perdão”, disse o Papa Francisco em Assis

Assis. Basílica Santa Maria degli Angeli: Papa Francisco confessa alguns fieis

Papa Francisco visita Assis pela segunda vez no dia 4 de agosto

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O papa e os 400 líderes em Assis pela paz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV