"Se o Isis me matar, não me matem uma segunda vez." Artigo de Aldo Antonelli

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Julho 2016

Se eu for degolado ou decapitado ou eviscerado por um delirante de "Allah Akbar!", eu lhes peço, por favor, não me matem duas vezes: não confundam o Isis com o Islã.

A opinião é do padre italiano Aldo Antonelli, coordenador regional da associação antimáfia Libera para a província de Aquila, na Itália. O artigo foi publicado no sítio TheHuffingtonPost.it, 27-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Isto não vai acontecer, mas, se eu for morto por quem quer que seja, por favor, eu lhes peço, não me matem uma segunda vez.

Se eu for degolado ou decapitado ou eviscerado por um delirante de "Allah Akbar!", eu lhes peço, por favor, não me matem duas vezes: não confundam o Isis com o Islã.

E, se o meu assassino for um negro ou um imigrante, eu lhes peço, por favor, diante do meu caixão, não matem também a minha memória: não confundam o delinquente com o emigrante.

No meu funeral, não quero os mestres do imbróglio, os fabricantes do ódio, aqueles que investem nos medos e aqueles que fazem carreira sobre as desgraças alheias. Eu morreria uma segunda vez. E, desta vez, de verdade!

P. S.: Já ia me esquecendo. Se eu tivesse que morrer nas mãos de um assassino qualquer, gostaria do silêncio da imprensa. Afinal, quem morreria seria somente eu. Eu não quero me prestar, nem mesmo quando morto, a esse jogo obsceno que é transmitido cotidianamente em redes unificadas: o de fazer acreditar que o nosso inimigo é o Islã, e não o terrorismo cotidiano e permanente de umas finanças que provocam fome, de um mercado que desertifica e de uma política que não faz nada. E cujas vítimas são milhões e milhões, sem excluir os próprios terroristas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Se o Isis me matar, não me matem uma segunda vez." Artigo de Aldo Antonelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV