Assange completa quatro anos 'detido' na embaixada do Equador em Londres. Ativistas organizam protesto global

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem são os “idiotas úteis”?

    LER MAIS
  • Sob o império do grosseiro e do obsceno

    LER MAIS
  • Alastra-se o rechaço a Bolsonaro; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Junho 2016

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, completa, neste domingo (19/06), quatro anos de reclusão na embaixada do Equador, em Londres. Para marcar a data, capitais de diversos países realizarão manifestações em apoio ao australiano e ele fará pronunciamentos via teleconferência.

A informação é publicada por Opera Mundi, 19-06-2016.

Com a chamada “Primeiro eles vieram por Assange…”, os atos estão programados ao longo de toda a semana em Madri, Nova York, Quito, Atenas, Buenos Aires, Belgrado, Berlin, Bruxelas, Milão, Montevidéu, Nápoles, Paris e Sarajevo.

Diversas personalidades internacionais anunciaram que participarão das atividades, entre elas o linguista Noam Chomsky; o filósofo Slavoj Zizek; o ex-ministro de Finanças da Grécia Yanis Varoufakis; os músicos Brian Eno, Patti Smith, PJ Harvey; o prêmio Nobel argentino Adolfo Pérez Esquivel; o artista e ativista chinês Ai Weiwei; a desenhista Vivienne Westwood e os diretores Michael Moore e Ken Loach.

Desde 2010 Assange é perseguido pela Suécia. Para evitar uma extradição a este país, onde é acusado de crimes sexuais, o ativista está refugiado na sede diplomática do país sul-americano que lhe concedeu asilo político.

Assange teme ser extraditado para a Suécia porque considera que a acusação de assédio sexual é um pretexto para enviá-lo aos Estados Unidos, onde é acusado por ter revelado milhares de documentos secretos deste país, e onde pode ser condenado à prisão perpétua pelo crime de espionagem.

Apesar de a ONU já ter se manifestado em defesa de Assange, o Reino Unido mantém a disposição de prendê-lo tão logo o ativista deixe a embaixada equatoriana. Isso porque o Ministério Público sueco emitiu uma solicitação de detenção europeia e a renovou em maio deste ano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Assange completa quatro anos 'detido' na embaixada do Equador em Londres. Ativistas organizam protesto global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV