"Diante de 366 caixões em Lampedusa, tive uma crise de fé e escrevi ao papa", afirma cardeal

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Junho 2016

Diante dos 366 caixões de migrantes mortos durante o naufrágio do dia 3 de outubro de 2013 em Lampedusa, "eu tive uma grande crise de fé, que ainda me marca": foi o que confidenciou, diante de uma aula magna repleta de estudante, o cardeal Francesco Montenegro, arcebispo de Agrigento e presidente da Cáritas italiana, durante o colóquio sobre migrações organizado nessa quinta-feira à noite pelo Centro Astalli na Pontifícia Universidade Gregoriana.

A nota é do Servizio Informazione Religiosa (SIR), 17-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Estar na frente de 366 caixões faz você se sentir esmagado e amedrontado", contou. "Estar no porto de Lampedusa e ver aqueles rostos que provocou uma crise de fé. Eu não só senti Deus distante, mas também realmente não O senti. Depois, vi um policial chorando como uma criança. Naquela mesma noite, eu escrevi ao papa, dizendo-lhe a minha dificuldade, como bispo que deveria ajudar os outros e que, em vez disso, encontrou-se com o coração apagado."

O que está acontecendo hoje na Europa, continuou, é "uma história pesada que não podemos colocar sob o título de 'caridade', mas devemos colocar sob o título de 'justiça'. O problema não é a migração, mas a injustiça no mundo, e o mundo se sustenta sobre essa injustiça. Se não começarmos a combater a injustiça, as soluções não serão encontradas".

"Não nos lavamos as mãos, mas continuamos nas arquibancadas, como no Coliseu – afirmou – e, com o polegar virado para cima ou para baixo, decidimos o destino daqueles que podem viver ou morrer."

Ao contrário, concluiu, "devemos começar a viver a cultura da acolhida, que é a capacidade de olhar o outro nos olhos, e o outro fica contente porque vê reconhecida a sua dignidade como pessoa."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Diante de 366 caixões em Lampedusa, tive uma crise de fé e escrevi ao papa", afirma cardeal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV