Alimentos desperdiçados na América Latina e Caribe poderiam alimentar 37% das pessoas que passam fome em todo o mundo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O “ódio consciente” ao Papa Francisco é o sinal mais evidente do “ódio inconsciente” que grande parte do clero tem pelo Evangelho. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS
  • Habermas, 90 anos de inquietude filosófica

    LER MAIS
  • O drama do degelo da Groenlândia em uma só foto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Abril 2016

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, com os alimentos perdidos na região da América Latina e Caribe seria possível alimentar 37% das pessoas que passam fome em todo o mundo.

A reportagem é de Laura Gelbert, publicada por Rádio ONU, 21-03-2016.

Na América Latina são perdidas ou desperdiçadas até 348 mil toneladas de alimentos por dia, cifra que terá de ser reduzida à metade nos próximos 14 anos se a região quiser alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS.

O alerta foi feito nesta quarta-feira pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, FAO.

Metas

O terceiro boletim “Perdas e Desperdícios de Alimentos na América Latina e no Caribe” da agência da ONU destaca o ODS 12, centrado na necessidade de assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

Este objetivo inclui a meta de reduzir à metade até 2030 o desperdício mundial de alimentos nos níveis de varejo e do consumidor, e reduzir as perdas de alimentos ao longo das cadeias de produção e abastecimento.

Necessidades Calóricas

Segundo a FAO, 36 milhões de pessoas na região poderiam cobrir suas necessidades calóricas apenas com alimentos perdidos nos pontos de venda diretos aos consumidores.

O número representaria pouco mais que a população do Peru e mais do que todas as pessoas que passam fome na região.

A FAO e outras agências parceiras estão atualmente elaborando o Índice Global de Perdas e Desperdícios de Alimentos, que será essencial para que todos os países quantifiquem suas perdas e definam estratégias para alcançar o ODS 12.

Mobilização

De acordo com a FAO, 127 milhões de toneladas de alimentos, ou 223 quilos por cada habitante da região, são a quantidade total de perdas e desperdícios da região.

Estes alimentos seriam suficientes para satisfazer as necessidades alimentícias de 300 milhões de pessoas, 37% de todas as pessoas que passam fome no mundo.

No entanto, a região está trabalhando para reduzir esse número. Com apoio da FAO, no passado governo estabeleceram uma Rede de Especialistas, uma Estratégia Regional e uma Aliança Regional para a Prevenção e Redução de Perdas e Desperdícios de Alimentos.

Luta Contra a Fome

Na Costa Rica e na República Dominicana foram criados Comitês Nacionais dedicados ao tema. Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru e Uruguai estão entre os países discutindo iniciativas semelhantes.

Ainda segundo a FAO, a luta contra o desperdício alimentar também é parte do principal acordo contra a fome na região, o Plano de Segurança Alimentar, Nutrição e Erradicação da Fome da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e do Caribe, Celac.

A iniciativa considera a eliminação das perdas e desperdícios como uma condição fundamental para acabar com a fome até 2025.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alimentos desperdiçados na América Latina e Caribe poderiam alimentar 37% das pessoas que passam fome em todo o mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV