Iniciativa dos Párocos austríacos recebe prêmio

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2011

Por ter assumido a grande dificuldade do serviço da pastoral, que cada vez menos pode ser prestado por padres na Igreja Católica, a Pfarrer-Initiative austríaca recebeu o prêmio 2012 da Fundação Herbert-Haag pela liberdade na Igreja.

A reportagem é do sítio Kipa-apic.ch, 08-11-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Pelo seu excepcional compromisso com o serviço pastoral, também foram homenageadas pela Fundação três pessoas que trabalham na Igreja suíça: as teólogas Monika Hungerbühler e Monika Schmid, e o teólogo Charlie Wenk. O anúncio foi feito no dia 8 de novembro, em Lucerna.

Com o seu Apelo à desobediência do dia 9 junho de 2011, a Pfarrer-Initiative austríaca suscitou um grande eco internacional, escreve a Fundação. A Iniciativa dos Párocos levou à discussão pública a situação precária da pastoral na Áustria "com postulados claros e com ações decididas corajosa e impavidamente". Desse modo, a Iniciativa dos Párocos obriga a Conferência dos Bispos a tomar uma posição sobre as questões do celibato e do bloqueio às reformas na Igreja Católica.

O prêmio, que consiste em 10 mil euros (12 mil francos suíços) será entregue no dia 22 de abril de 2012, em Lucerna, a Helmut Schüller.  Schüller, cofundador e presidente da Iniciativa dos Párocos, é atualmente pároco de Probstdorf, perto de Viena, e capelão da universidade. Antes, havia sido vigário-geral da arquidiocese de Viena e ouvidor das vítimas de abusos sexuais na Igreja.

As exigências da Pfarrer-Initiative

No seu Apelo à desobediência, a Pfarrer-Initiative pede a comunhão também para divorciados em segunda união, para membros de outras Igrejas e para pessoas que abandonaram a Igreja. Além disso, quer-se prever, no futuro, uma celebração com distribuição da comunhão como "celebração eucarística sem padre", chamando-a por esse nome. A Iniciativa também quer desconsiderar "a proibição de pregar para leigos competentes e preparados e para professoras de religião".

Ela se comprometerá para que uma pessoa possa se tornar dirigente da comunidade paroquial independentemente do gênero, da situação familiar ou da posição na Igreja, além da admissão das mulheres e de pessoas casadas ao ministério presbiteral. O cardeal de Viena, Christoph Schönborn, deu repetidamente uma resposta negativa aos pedidos da Iniciativa. A Conferência dos Bispos austríacos também vai lidar com essas questões na sua reunião de outono.

Prêmios suíços

Nas dioceses suíças, teólogas e teólogos comprometidos em muitos grupos de pastoral fizeram com que o serviço pastoral não sofresse um colapso, embora a situação deplorável ainda seja apresentada como positiva por alguns bispos, escreve a Fundação Haag. Em representação, a Fundação premia três personalidades das dioceses de Basileia, Chur e St. Gallen, que realizam seu serviço em paróquias sem padre, como diretores de comunidade e na pastoral da cidade, "de forma atual e futurista". Foram premiados: Monika Hungerbühler (Basileia), Monika Schmid (Effretikon Zurich) e Charlie Wenk (St. Gallen).

Monika Hungerbühler é diretora da Frauenstelle eclesial e encarregada pastoral da Igreja Aberta Elisabethen (Igreja Ecumênica da cidade de Basileia), codiretora do decanato da Basileia e iniciadora, com outros, da Iniciativa para a Igualdade de Oportunidades na Igreja Católica.

Monika Schmid é diretora de comunidade em Effretikon, perto de Zurique, e também presente em debates públicos e conhecida como ex-apresentadora do programa Wort am Sonntag (Palavra de domingo) da televisão suíça.

Charlie Wenk é diretor de comunidade da paróquia de Halden, em St. Gallen, onde, junto com um colega protestante, desenvolve uma pastoral ecumênica e dá espaço para pessoas de outras religiões.

Prêmios de 2011

Em abril passado, foram premiados pela Fundação Herbert-Haag pela liberdade na Igreja: a Igreja Escondida da República Checa e da Eslováquia e o biblista Walter Kirchschläger. O bispo auxiliar de Praga, Vaclav Maly, havia recusado o prêmio. Ele via na atribuição do prêmio "um protesto contra Roma" e, por isso, renunciou a participar.

A Fundação premia todos os anos pessoas e instituições que se destacaram "por uma livre expressão de opiniões ou por um comportamento corajoso como cristãos". A Fundação existe deste 1985, com sede em Lucerna. Foi assim chamada por causa do biblista Herbert Haag, que morreu em 2001. O presidente do Conselho da Fundação é o teólogo suíço Hans Küng. Visite www.herberthaag-stiftung.ch.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Iniciativa dos Párocos austríacos recebe prêmio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV