Carta pastoral critica governo sandinista

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Junho 2011

O comandanta sandinista Edén Pastora, ex-guerrilheiro e hoje integrado ao governo nicaraguense, disse que os bispos católicos são “incoerentes” e andam na contramão dos “velhos bispos que estão com a revolução”. Pastora respondeu assim às críticas de carta pastoral emitida pela hierarquia católica do país.

“Esses ‘muchachos’  jovens, que são os novos bispos de hoje, são os que querem apoiar os programas sociais porque estão à margem do povo”, afirmou o Comandante Zero.

A informação é da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 16-06-2011.

A carta pastoral critica os poderosos que “exercem o domínio de modo despótico e autoritário”, são prepotentes e paranóicos e “atuam como se Deus não existisse”.

O economista Edmundo Jarquin, candidato à vice-presidência da República pelo Partido Liberal Independente, comentou que o presidente Daniel Ortega compara-se, num outdoor, ao poeta Rubén Dario e ao general Augusto César Sandino. “Ele está a um passo de se comparar a Deus”, ironizou Jarquin.

A carta pastoral pede respeito aos pobres. “Devemos comprometer-nos com sua promoção humana integral, sair do puro assistencialismo econômico, e fazer com que sejam sujeitos de sua própria história”, diz o texto emitido no final de semana.

O bispo emérito Bernardo Hombach destacou que o cardeal Miguel Obando, afinado com o governo sandinista, tem essa posição em caráter pessoal.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carta pastoral critica governo sandinista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV