Mapuches em greve de fome já sofrem danos irreversíveis

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • “A pandemia econômica será de uma brutalidade desconhecida”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Junho 2011

A greve de fome líquida e a perda de mais de 20 quilos de peso já teriam provocado danos irreversíveis na saúde dos quatro mapuches chilenos presos que iniciaram a medida de força há 85 dias. Sua reivindicação é a anulação do processo em que foram condenados por roubo com intimidação e lesões menores. "A falta de nutrientes deve ter provocado dano cerebral", apontou o médico Juan Carlos Reinao, que os examina desde que os mapuches começaram a greve. Contudo, serão realimentados nos postos de saúde onde permanecem internados. Segundo Reinao, o sistema de saúde estatal interpôs um recurso com este objetivo na Corte de Apelações do Chile e que foi aceito.

A reportagem é de Ailín Bullentini e está publicada no jornal Página/12, 09-06-2011. A tradução é do Cepat.

"A gravidade é grande. Sofrem de desnutrição severa, desidratação no limite e estado geral grave. Os mais de 20 quilos que cada um perdeu na greve provocaram também diminuição no nível de concentração", explicou o médico. Seu trabalho no monitoramento da saúde de Ramón Llanquileo, Jonathan Huillical, José Huenuche e Héctor Llaitul começou no primeiro dia de greve e se deveu à exigência das famílias dos prisioneiros, que consideraram necessário que um profissional que não fosse da Gendarmería cuidasse da saúde dos mapuches.

Até esta quarta-feira, os quatro estavam internados no Hospital Victoria. Diante da gravidade, as autoridades sanitárias decidiram transferi-los para os centros assistenciais Concepción, Los Angeles e Nuevo Imperial, todos situados no sul do país, um movimento que teve a resistência dos prisioneiros e familiares. "Tendo os instrumentos para poder controlar sua saúde em um único equipamento, decidiram transferi-los unilateralmente. A transferência é perigosa, não estavam em condições de suportar as três horas de viagem que separa um hospital de outro", denunciou a porta-voz das famílias dos mapuches, Natividad Llanquileo.

As famílias souberam da transferência enquanto aguardavam o horário de visita. O tumulto que se originou forçou efetivos da Gendarmería a dar explicações: "A decisão é exclusivamente por prescrição médica", esboçou o diretor regional da força, David Espinoza.

"Querem forçá-los a comer", denunciou, por sua vez, a mãe de José Huenuche, Juana Raimón. "Tiraram meu filho estando muito mal, jogaram-no numa ambulância", acrescentou. Segundo informou Reinao, o sistema de saúde do Chile apresentou um recurso de amparo na Câmara de Apelações nacional para iniciar a realimentação dos grevistas apesar de sua recusa, o que a Justiça aceitou. Embora não tenha falado oficialmente sobre o tema, o governo havia expressado anteriormente que tomaria todas as medidas possíveis para evitar a morte dos "comuneros’, inclusive sua alimentação forçada.

O médico advertiu sobre os possíveis efeitos negativos que a realimentação acarretaria sem a realização prévia de exames gerais da saúde dos indígenas condenados. "Os manifestantes não querem se submeter a exames médicos por não contarem com garantias sobre a certeza dos resultados. Sem esses estudos, a realimentação poderia provocar a falência de órgãos e desencadear um desenlace fatal", apontou.

Os "comuneros’ foram condenados em março a até 25 anos de prisão por tentativa de homicídio de um fiscal e roubo com intimidação. Enquanto começaram a greve, seus familiares pediram formalmente a nulidade na Corte Suprema do Chile. O máximo tribunal decidiu indeferir a tentativa de homicídio, razão pela qual as penas foram reduzidas. Os mapuches consideram que no processo judicial se aplicou a lei antiterrorista: "Houve testemunhas secretas e pessoas que testemunharam sob tortura", expressou a porta-voz.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mapuches em greve de fome já sofrem danos irreversíveis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV