Celibato. Igreja insiste em norma do século XII

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desgaste do discurso evangélico

    LER MAIS
  • Outro papa. Ratzinger, sua renúncia e o confronto com Bergoglio

    LER MAIS
  • ‘Eu serei sempre minoria’, diz padre Júlio sobre sua vocação em ajudar pobres e oprimidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Janeiro 2011

O celibato sacerdotal se tornou obrigatório no século XII, quando o II Concílio de Latrão condenou, em 1139, o casamento e o concubinato de padres. O Concílio de Trento (1545-1563) reforçou a condenação, reafirmando uma tradição da Igreja que vinha desde os primeiros séculos do cristianismo.

A reportagem é do jornal O Estado de S. Paulo, 09-01-2011.

Além do argumento de que os clérigos deveriam se dedicar integralmente ao serviço do Evangelho, pesaram razões econômicas, pois se temia o risco de filhos de padres casados serem considerados herdeiros dos bens eclesiásticos.

Imposto aos bispos, sacerdotes e diáconos da Igreja Latina, o celibato nunca foi aceito pelas igrejas católicas orientais, que são chefiadas por patriarcas autônomos. Nessas igrejas, homens casados podem ser ordenados padres, embora os padres já ordenados não possam se casar. Os bispos têm de ser celibatários. O Catecismo da Igreja Católica, promulgado por João Paulo II em 1992, reconhece essa situação. O Catecismo afirma que nas Igrejas orientais a existência de padres casados "é uma praxe considerada legítima" .

Apesar de os últimos papas e o Concílio Vaticano II (1962-1965) terem mantido o celibato, exigido também pelo Código de Direito Canônico (1993), a mudança das regras continua em discussão. Propõe-se a ordenação de homens casados para suprir a falta de clero. Não seria a abolição total do celibato, pois a renúncia ao casamento continuaria optativa para quem preferisse esse estilo de vida para melhor servir a Igreja. Os diáconos permanentes, que atuam nas paróquias, podem ser casados.

Como se trata de uma lei eclesiástica, o celibato poderia ser abolido. O Vaticano, porém, não parece disposto a mexer nas regras atuais. Ao ser nomeado prefeito da Congregação para o Clero, em 2006, o cardeal d. Cláudio Hummes admitiu, em São Paulo, que a Igreja aceitasse ordenar homens casados. Mas, ao desembarcar em Roma três dias depois, foi aconselhado a declarar, em nota oficial, que a questão não estava em discussão.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Celibato. Igreja insiste em norma do século XII - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV