São Paulo tem ação por gastronomia sustentável

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "Celebrar a vida em abundância": o desejo dos católicos e católicas LGBT+ no Brasil

    LER MAIS
  • O algoritmo “vigiador”. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS
  • Advento: um convite à conversão

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Junho 2011

Foi lançado em São Paulo o movimento Gastronomia Sustentável, com a participação de cem restaurantes. A ação durará seis meses e, nesse período, o óleo de cozinha usado nos restaurantes será destinado a uma usina de biodiesel. As emissões de gás carbônico serão medidas nos estabelecimentos e haverá a compensação, com o plantio de árvores, de pelo menos 50% do emitido. Inicialmente, as mudas serão plantadas na região da Reserva de Morro Grande, em Cotia.

A reportagem é de Afra Balazina e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 25-06-2011.

Os restaurantes também serão cadastrados no Banco Cyan para o acompanhamento do consumo de água. Se houver redução, eles acumulam pontos, que podem ser trocados por descontos em sites.

A chef Carole Crema, das docerias La Vie en Douce, considera a iniciativa um passo importante. "A gente percebe que os clientes estão mais preocupados com a questão ambiental, com as sacolinhas, em evitar copo plástico. E os restaurantes produzem muito lixo."

Ela conta que, para alguns fornecedores, manda suas caixas para serem usadas mais de uma vez. "Tive uma reunião recentemente com a Nestlé para trocar as latas de leite condensado por embalagens maiores, de 5 quilos", exemplifica. De acordo com ela, porém, o restaurante pode ter um aumento de custo na busca pela sustentabilidade. "Na região dos Jardins não tenho coleta seletiva. Então, a gente está buscando uma empresa terceirizada e banca isso", diz.

O restaurante Piselli já doa seu óleo e tem uma parceria com uma empresa para retirar o lixo e encaminhar de maneira correta. "Mas não existe nenhum incentivo para que os restaurantes façam a separação do lixo", diz Paulo Kotzent, chef do Piselli.

Ele avalia que os consumidores também precisam ser conscientizados - muitas vezes não entendem que não é possível ter certos tipos de alimento o ano todo. Os "desejos" dos clientes podem promover a pesca predatória, que pode levar à extinção de peixes como o atum.

Segundo Sérgio Lerrer, diretor da 18 Cinema e Marketing (que criou a iniciativa), os participantes receberão um selo chamado Green Chef, que indica o comprometimento das casas com a natureza. Além do Piselli e do La Vie en Douce, também estão confirmados na ação os restaurantes Pomodori, La Tasca, Tantra, La Dolce Vita, Cantina Speranza, La Caballeriza e O Pote do Rei. Se ao longo do processo os estabelecimentos não se mostrarem engajados, poderão ser descredenciados.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

São Paulo tem ação por gastronomia sustentável - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV