As religiões irão perder a mulher pelo patriarcado

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nota de apoio ao Padre Edson Adélio Tagliaferro. Mais de cem padres já assinaram

    LER MAIS
  • A foto do migrante no colo do marinheiro: “É a Pietà do mar”

    LER MAIS
  • Nem normal, nem novo normal, mas bem viver

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Abril 2011

"Se Deus é homem, então o homem é Deus, e a mulher lhe deve submissão e obediência". Essa ideia da filósofa norte-americana Mary Daly serviu à teóloga Margarita Pintos para lamentar a imagem patriarcal de Deus e suas consequências para as mulheres em praticamente todas as religiões. Esse foi o tema, no último sábado, de uma jornada de debates no Centro Cultural Nicolás Salmerón, intitulada A mulher nas religiões.

A reportagem é de Juan G. Bedoya, publicada no jornal El País, 03-04-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O evento foi organizado pela Associação para o Diálogo Inter-Religioso da Comunidade de Madri - ADIM, presidida por Pintos. "As religiões nunca se deram bem com as mulheres, que são as grandes esquecidas e perdedoras", foi uma das conclusões.

Santo Agostinho afirmou que a inferioridade da mulher pertence à ordem natural. Tomás de Aquino a define como um "homem imperfeito". Lutero fala das mulheres como inferiores de mente e de corpo por terem caído na tentação. E o atual bispo de Granada argumentou que "o homem está feito para o altar, e as mulheres, para parir".

Apesar de tudo isso, "as mulheres são as mais fiéis seguidoras das religiões, as melhores transmissoras das crenças e as que muitas vezes reproduzem o mesmo patriarcado que as submete", concluiu a teóloga Pintos.

Essas citações, na boca de algumas oradoras, projetaram uma situação, ainda inamovível, na qual só os homens podem ser sacerdotes na Igreja Católica, imãs no islã e rabinos no judaísmo ortodoxo. Mas nem os textos sagrados nem algumas tradições justificam essa marginalização, como demonstraram neste sábado Cristina Segura Graiño, catedrática de História Medieval da Universidade Complutense, e as representantes das confissões bahái (María Jesús Rodríguez de la Fuente), budismo soka gakkai (Inés Vázquez) e do Brahma Kumaris (Marta Matarín), entre outras conferencistas.

O teólogo Juan José Tamayo, que abriu a jornada, desenhou um panorama desolador sobre a relação mulher-religião, mas se mostrou otimista porque, disse, "surgiu uma nova forma de pensar e de reformular as crenças e as práticas religiosas". Ele se referia à teologia feminista.

Segundo o diretor da cátedra de Religiões da Universidade Carlos III, na teologia feminista as religiões poderiam encontrar uma saída a uma crise que não cessa.

"No século XIX, as religiões perderam a classe operária porque se colocaram do lado dos patrões e condenaram as revoluções que lutavam por uma sociedade mais justa. No século XX, perderam os jovens, os intelectuais por posições filosóficas e culturais integristas e antimodernas, e, se continuarem pela via patriarcal, neste século XXI, perderão as mulheres", sentenciou.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As religiões irão perder a mulher pelo patriarcado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV