“Carta do povo Munduruku para a sociedade brasileira sobre o ocorrido na aldeia Teles Pires”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Novembro 2012

"Porque o governo federal não respeita os direitos dos povos indígenas do Brasil? Esta terra é nossa por isso nós temos direitos de reclamar e defender, porque nós somos donos dessa terra", escreve o CIMAT (Conselho Indígena Munduruku do Alto Tapajós), em carta publicada no sítio Racismo Ambiental, 19/11/2012.

Eis a carta.

Dia 09 de novembro de 2012 a aldeia Teles-Pires do Povo Munduruku sofreu um ataque da polícia brasileira. Pegos de surpresa os indígenas viram homens armados se aproximando das aldeias. Os índios resolveram se aproximar e saber o que estava acontecendo. Ouviram então de um policial a ordem era explodir as balsas e dragas que haviam na região. Os índios pediram que não fizessem isso, pois era de onde a aldeia tirava algum sustento, com a comercialização e troca de produtos da roça para os garimpeiros.

Sem conseguir um diálogo com a policia os índios solicitaram que a polícia não tocasse em seus bens e nem no combustível que havia na aldeia, pois além de poluir o rio o combustível servia a comunidade. O policial que parecia comandar os outros concordou com essa proposta. Mas no dia seguinte os policiais não quiseram acordo e mandaram que todos voltassem correndo para a aldeia. Os índios recuaram, mas às 09:00h a aldeia foi invadida pela polícia, com helicóptero que disparava rajadas de tiros a esmo.

O cacique Baxixi acompanhado de seus guerreiros tentou dialogar com os invasores e um homem que se identificou como funcionário da Funai de Brasília e que acompanhava os policiais. Disse que a ordem era explodir tudo e passar por cima de quem se opusesse. Quando outros guerreiros se aproximaram os policiais começaram a disparar, colocando em pânico crianças e velhos. Um dos idosos estava sendo agredido quando um guerreiro atirou flechas nos policiais. Ele foi atingido por tiros e caiu no rio e depois um policial que comandava a operação atirou na cabeça do índio. Outros guerreiros reagiram com mais flechadas e o helicóptero iniciou a perseguição de mulheres e crianças pelos caminhos das roças. Muitas crianças acabaram se perdendo naquele momento dos pais. Depois disso tudo a policia ainda atirou bombas no local do rio em que o índio foi morto.

A policia começou a invadir as casas das aldeias e a destruir o que encontrava, muitos índios que fizeram filmagens da operação com seus celulares tiveram os aparelhos apreendidos e destruídos.
Aqueles que não conseguiram fugir pro mato foram separados na aldeia, homens mulheres e crianças muito assustados. As mulheres foram muito ofendidas pela polícia.

Este é o relato resumido do que foram aquelas horas de terror na aldeia e que depois foram descritos na Câmara de Vereadores de Jacareacanga.

Nós povos indígenas da etnia Munduruku não aceitamos ser tratados desse jeito. Este não é o primeiro ataque do governo aos nossos direitos. Sabemos que há no congresso nacional a proposta de emenda constitucional 215, a proposta emenda constituição PEC 215. Porque vai prejudicar muitas relações em nossa gestão de territórios do povo Munduruku. A AGU quer publicar a portaria 303 que retira nossos direitos e que há outro sem número de propostas no congresso nacional que querem tirar nossa autonomia e nosso território.

Sabemos de nossos direitos, sabemos que a constituição nos protege e que outras leis internacionais que o Brasil assinou também nos protegem, como a convenção 169 da  OIT. Porque o governo federal não respeita os direitos dos povos indígenas do Brasil? Esta terra é nossa por isso nós temos direitos de reclamar e defender, porque nós somos donos dessa terra, hoje o governo está querendo tomar nossos territórios o governo está violentando as leis. Agora estamos vendo a pressão que está sendo feita por  representantes dos interesses das mineradoras, junto ao congresso nacional, para encaminhar leis que regularizem a exploração de minério em terras tradicionais dos povos indígenas.
O Governo quer construir hidrelétricas em nossas terras e pra isso acha que vai nos intimidar. Nós somos um povo que quer paz e na paz somos bons amigos. Mas se nos querem como inimigos, seres muito melhores.

Pedimos à sociedade que nos apoie em nossa luta!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Carta do povo Munduruku para a sociedade brasileira sobre o ocorrido na aldeia Teles Pires” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV