Desindustrialização? Há crise, mas indústria não está indo embora

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Setembro 2012

"A indústria não está se mudando para outros países, pelo que se sabe. A nossa economia cresce pouco por causa da recessão que se aprofunda na Europa e que faz com que a economia mundial se contraia", constata Paulo Singer, economista e secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 08-09-2012.

Eis o artigo.

Quem, como a maioria dos adultos, viveu a maior parte de sua vida no século 20 aprendeu que industrialização significava progresso.

Éramos um país atrasado porque vivíamos da exportação de produtos da agricultura tropical. Com a receita dessa exportação, pagávamos produtos industriais importados.

Desenvolvimento era sinônimo de industrialização, pois os países que a lograram eram mais ricos, melhor educados e modelos culturais para os outros, que se desenvolviam mediante a substituição das manufaturas importadas por produtos nacionais.

A grande virada se deu a partir dos anos 1980 com a liberalização do comércio e da movimentação internacional de capitais à caça de superlucros em países dotados de mão-de-obra escolarizada, mas inacreditavelmente barata quando comparada com a força de trabalho nos países do Primeiro Mundo.

Começou então a transferência maciça de plantas industriais dos Estados Unidos e da Europa para os países "emergentes" da Ásia e da América Latina. O transplante industrial levou progresso para os países em industrialização acelerada, mas os grandes ganhadores foram os capitalistas do Primeiro Mundo e seus sócios nos países "emergentes", que passaram a crescer aceleradamente. As grandes vítimas dessa desindustrialização nos países desenvolvidos foram os trabalhadores que perderam empregos e empobreceram nos cinturões da ferrugem. Seus sindicatos perderam membros e foram obrigados a abrir mão de conquistas para evitar o translado das fábricas restantes.

Como é óbvio, nada disso acontece no Brasil.

A grande dificuldade da indústria está na contração dos mercados mundiais em função da recessão nos países da periferia europeia, que estão sendo obrigados a se autoarruinar com políticas de austeridade que punem exclusivamente os pobres, mediante cortes de salários e postos de trabalho no Estado.

Embora o centro da crise esteja na Europa, suas repercussões estão agora atingindo os emergentes até há pouco poupados.

Nada disso acontece no Brasil: a indústria não está se mudando para outros países, pelo que se sabe. A nossa economia cresce pouco por causa da recessão que se aprofunda na Europa e que faz com que a economia mundial se contraia. Recentemente, o "The New York Times" noticiou que "após três décadas de crescimento intensivo, a China está diante de um problema com o qual não está acostumada em sua economia: um acúmulo enorme de mercadorias não vendidas. O excedente de tudo, desde aço e eletrodomésticos até carros e apartamentos, está dificultando os esforços da China para emergir duma desaceleração econômica aguda".

Sendo a China nosso maior parceiro comercial, é inevitável que sua crise também nos atinja. O mesmo aconteceu à Argentina, cujas exportações caíram, o que afeta o Mercosul como um todo, onde a indústria brasileira vendia parte de sua produção.

Ainda bem que nossa indústria conta com um farto mercado interno, que está sendo estimulado por diversas políticas do governo.

A queda dos juros e em breve também do custo da energia elétrica eleva o poder competitivo das empresas. O recente aumento das taxas aduaneiras de cem produtos importados, cuja concorrência ameaçava a existência de importantes ramos da indústria, e um aumento da proteção contra a importação de outra centena de produtos industriais já está programada para outubro.

Em suma, a indústria se encontra em crise contra a qual o governo toma medidas que devem levar a sua superação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desindustrialização? Há crise, mas indústria não está indo embora - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV