Taxa de degelo no Mar Ártico está 50% mais elevada do que o previsto

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • A democracia representativa está esgotada. Entrevista com Jean Ziegler

    LER MAIS
  • O pessoal é digital. Artigo de Slavoj Žižek

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Agosto 2012

Novas imagens de satélite mostram que a cobertura de gelo polar está diminuindo em extensão e em espessura.

A reportagem é de Robin McKie, publicada no sítio do jornal The Guardian, 11-08-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O gelo marinho no Ártico está desaparecendo em uma taxa muito maior do que anteriormente previsto, de acordo com dados do primeiro satélite construído e lançado para estudar a espessura das calotas polares da Terra.

Resultados preliminares da sonda CryoSat-2, da Agência Espacial Europeia, indicam que 900 quilômetros cúbicos de gelo marinho desapareceram do oceano Ártico durante o ano passado.

Essa taxa de perda é 50% maior do que a maioria dos cenários descritos pelos cientistas polares e sugere que o aquecimento global, provocado pelo aumento das emissões de gases de efeito estufa, está começando a ter um grande impacto na região. Em poucos anos, o oceano Ártico poderia ficar sem gelo no verão, desencadeando uma corrida para explorar seus recursos de peixes, petróleo, minerais e rotas marítimas.

Usando instrumentos de satélites anteriores, os cientistas puderam ver que a área coberta por gelo no verão no Ártico tem diminuído rapidamente. Mas as novas medições indicam que esse gelo perdido espessura dramaticamente ao mesmo tempo. Por exemplo, nas regiões norte do Canadá e da Groenlândia, onde a espessura do gelo regularmente ficou em torno de cinco a seis metros no verão há uma década, os níveis caíram para um a três metros.

"A análise preliminar dos nossos dados indica que a taxa de perda de volume de gelo marinho no verão no Ártico pode ser muito maior do que havíamos suspeitado previamente", disse o Dr. Seymour Laxon, do Centro de Observação e Modelação Polar da University College London (UCL), onde os dados do CryoSat-2 estão sendo analisados. "Muito em breve poderemos experimentar o momento icônico quando, um dia no verão, olharemos para as imagens de satélite e não veremos nenhuma cobertura de gelo no Ártico, apenas água aberta".

As consequências da perda da cobertura de gelo do Ártico, mesmo em apenas uma parte do ano, poderiam ser profundas. Sem o brilho branco da camada de gelo para refletir a luz solar de volta ao espaço, a região irá esquentar ainda mais do que atualmente. Como resultado, as temperaturas dos oceanos irão subir, e os depósitos de metano no fundo do oceano poderiam derreter, evaporar e borbulhar para a atmosfera.

Os cientistas relataram recentemente evidências de que as plumas de metano estão agora aparecendo em muitas áreas. O metano é um gás do efeito estufa particularmente poderoso, e o aumento dos seus níveis na atmosfera provavelmente só irão acelerar o aquecimento global. E com o desaparecimento do gelo marinho ao redor das margens da Groenlândia, suas geleiras poderiam derreter mais rápido e aumentar os níveis do mar ainda mais rapidamente do que hoje.

O professor Chris Rapley, da UCL, disse: "Com a queda do gradiente de temperatura entre o Ártico e o Equador, como está acontecendo agora, também é possível que a corrente de jato na atmosfera superior possa se tornar mais instável. Isso poderia significar um aumento da volatilidade no clima em latitudes mais baixas, semelhante aos que experimentamos neste ano".

CryoSat-2

O CryoSat-2 é o primeiro satélite do mundo a ser construído especificamente para estudar a espessura do gelo do mar e foi lançado em um foguete Dniepr do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, no dia 8 de abril de 2010. Satélites de monitoramento da Terra anteriores haviam mapeado a extensão da cobertura de gelo marinho no Ártico. No entanto, a espessura desse gelo provou ser mais difícil de medir.

A sonda ICESat dos EUA fez algumas importantes medidas da espessura do gelo, mas operou intermitentemente em apenas algumas regiões antes de parar de funcionar completamente em 2009. O CryoSat foi projetado especificamente para abordar a questão da espessura do gelo, tanto no Ártico quanto na Antártida. Ele foi equipado com um radar que pode ver através das nuvens (os lasers do ICESat não podiam penetrar as nuvens). A órbita do CryoSat também foi projetada para dar uma melhor cobertura do mar Ártico.

"Antes do CryoSat, pudemos ver que a cobertura de gelo no verão estava caindo acentuadamente no Ártico", disse Rapley. "Mas tivemos apenas vislumbres do que estava acontecendo com a espessura do gelo. Obviamente, se ele estava caindo também, a perda de gelo no verão era ainda mais significativa. Precisávamos saber o que estava acontecendo. E agora o CryoSat nos deu a resposta. Ele nos mostrou que a camada marítima do Ártico não só está encolhimento na região, mas também está afinando dramaticamente".

A cobertura de gelo marinho no Ártico varia consideravelmente ao longo do ano, atingindo um máximo em março. Combinando os resultados anteriores do ICESat e dados de outros estudos, incluindo medições feitas por submarinos que viajam sob a calota de gelo polar, Laxon disse que a análise preliminar já deu uma clara indicação de perda de gelo marinho no Ártico ao longo dos últimos oito anos, tanto no inverno quanto no verão.

No inverno de 2004, o volume de gelo marinho no Ártico central era de aproximadamente 17.000 quilômetros cúbicos. Neste inverno, era de 14.000, de acordo com o CryoSat.

No entanto, são os dados do verão que causam o verdadeiro choque. Em 2004, havia cerca de 13.000 quilômetros cúbicos de gelo no Ártico. Em 2012, há 7.000 quilômetros cúbicos, quase metade do valor de oito anos atrás. Se a atual perda anual de cerca de 900 quilômetros cúbicos continuar, a cobertura de gelo no verão poderia desaparecer em cerca de uma década no Ártico.

No entanto, Laxon pediu cautela, dizendo: "Em primeiro lugar, isso se baseia em estudos preliminares dos dados do CryoSat, por isso devemos tomar cuidado antes de correr para conclusões. Além disso, a atual taxa de declínio do volume de gelo pode mudar". No entanto, especialistas dizem que os modelos de computador indicam que as taxas de declínio do volume de gelo provavelmente só tendem a aumentar na próxima década.

Quanto à precisão das medições feitas pelo CryoSat, elas foram calibradas comparando-as com medições feitas na superfície de gelo por cientistas incluindo Laxon; por aviões que voam sob a órbita do satélite; e por dados fornecidos por estações de sonares subaquáticos que analisaram a espessura do gelo em locais selecionados no Ártico. "Agora, nós podemos dizer com confiança que os mapas da espessura do gelo do CryoSat estão corretos em até 10cm". Laxon acrescentou.

Laxon também salientou que a taxa de perda de gelo no inverno foi muito mais lenta do que no verão. "Isso sugere que, enquanto o inverno começa, o gelo cresce mais rapidamente do que fez no passado e que esse efeito compensa, em parte, a perda de gelo no verão". Em geral, a tendência de cobertura de gelo no Ártico está definitivamente em baixa, especialmente no verão, no entanto – um ponto recentemente defendido pelo professor Peter Wadham, que neste ano usou pesquisas de aviões e submarinos de folhas de gelo para fazer estimativas da perda de volume de gelo. Estas pesquisas também sugerem reduções significativas no volume do gelo marinho no verão, cerca de 70% nos últimos 30 anos.

"O Ártico é particularmente vulnerável ao impacto do aquecimento global", disse Rapley. "As temperaturas lá estão subindo mais rapidamente do que na linha do Equador, assim como está aumentando o encolhimento da cobertura de gelo marinho que observamos. Isso nos diz que algo muito significativo está acontecendo com a Terra. Os sistemas meteorológicos do planeta estão interconectados. Portanto, o que acontece nas altas latitudes também afeta a todos nós".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Taxa de degelo no Mar Ártico está 50% mais elevada do que o previsto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV