As religiosas norte-americanas e o Vaticano: uma crise com passado

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 30 Abril 2012

A Congregação para a Doutrina da Fé solicitou uma profunda reforma da Leadership Conference of Women Religious (LCWR), a organização que representa a maior parte das ordens religiosas femininas nos Estados Unidos. A iniciativa nasceu na Congregação para a Doutrina da Fé, dirigida pelo cardeal norte-americano William Levada, que após uma investigação concluiu que “a situação doutrinal e pastoral atual da LCWR é grave, e uma questão de grande preocupação”. A Congregação para a Doutrina da Fé conclui que uma ação do Vaticano é necessária para reformar o grupo. O arcebispo Peter Sartain, de Seattle, foi nomeado delegado vaticano para supervisionar a reforma. Terá que ajudar as religiosas da LCWR a revisar os estatutos do grupo, planejar os programas, revisar textos litúrgicos e voltar a considerar a filiação do grupo a outras organizações.

A reportagem está publicada no sítio Vatican Insider, 27-04-2012. A tradução é do Cepat.

A declaração da Congregação para a Doutrina da Fé, que se baseou nos resultados da visita apostólica realizada pelo bispo Leonard Blaire de Toledo, Ohio, identificou “sérios problemas doutrinais relacionados a muitas pessoas na vida consagrada”. Muitas religiosas norte-americanas se afastaram, segundo a Congregação para a Doutrina da Fé, “do centro cristológico fundamental”. Entre as acusações mais relevantes destaca a de ter desafiado os ensinamentos da Igreja sobre temas como a homossexualidade e o sacerdócio, e de ter promovido “temas feministas radicais incompatíveis com a fé católica”. Além disso, há indicações de que a organização fez declarações públicas que contradizem ou que “desafiam os bispos, que são os verdadeiros mestres da fé e da moral na Igreja”. Os bispos norte-americanos criticam alguns aspectos da reforma sanitária de Obama, mas dezenas de freiras assinaram um documento de apoio, que ofereceu uma “cobertura” católica à Casa Branca. A LCWR alega que conta com 1.500 membros, quer representam 80% das religiosas dos Estados Unidos.

Na realidade, trata-se de uma crise cujas raízes são profundas. “Depois de ter estudado o argumento durante muitos anos, creio que está amadurecendo há 40 anos”, declarou Ann Carey, autora de Sisters in crisis: the tragic Uraveling of Women religious communities. Desde 1971, quando a LCWR modificou seus estatutos, as relações com o Vaticano estão tormentosas. “O Vaticano foi paciente, tratando de oferecer às freiras linhas guia para modificar a direção que estavam tomando, e elas colocaram resistências”. As mudanças foram tão drásticas que uma parte das freiras abandonou a LCWR e criou um grupo alternativo, conhecido como Conselho das Superioras Maiores das Religiosas (CMSWR). Mas (e provavelmente esta é uma das tantas razões que provocaram a reação da Santa Sé e em particular da Congregação para a Doutrina da Fé) enquanto parece que nesta a vida religiosa seja muito mais “suave”, é justamente nesta minoria onde se registra o maior número de vocações. Com efeito, o número de religiosas diminuiu notavelmente nos Estados Unidos: de 179.954, em 1965, para 55.000, hoje.

Depois da primeira reação, as religiosas do LCWR se dizem abertas, cautelosamente, ao diálogo com a comissão de bispos norte-americanos nomeada por Roma. “Nos comprometeremos com o diálogo. Na medida do possível estaremos abertas ao movimento do Espírito Santo. Pedimos orações para nós e para a Igreja neste momento crítico”, se pode ler em uma declaração. Dom Sartain, que dirigirá a reforma, também disse estar comprometido e querer “ajudar as religiosas da LCWR a reconhecer que estamos todos juntos nesta tarefa”, e acrescentou que aprecia “o papel das religiosas dos Estados Unidos” e “todas as coisas extraordinárias que fizeram”. Sartain está buscando uma via diplomática. Outros, ao contrário, são mais duros. Como o cardeal Raymond Leo Burke, que dirige o supremo tribunal vaticano. Há tempos vem denunciando “a pública e obstinada traição da vida religiosa por parte de algumas religiosas”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As religiosas norte-americanas e o Vaticano: uma crise com passado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV