A ciência é ''um dos melhores princípios para conhecer Deus'', diz astrônomo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Março 2012

Fé e ciência não estão em oposição, defende o irmão jesuíta Guy Consolmagno (foto).

A reportagem é de Hillary Senour, publicada no sítio EWTN News, 08-03- 2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O astrônomo do Observatório do Vaticano, o irmão jesuíta Guy Consolmagno, afirma que seu estudo sobre o universo através da ciência ajudou-o a compreender melhor a pessoa de Cristo.

O Observatório do Vaticano foi fundado em 1891 pelo Papa Leão XIII, próximo da Basílica de São Pedro, mas foi transferido alguns quilômetros para fora de Roma em 1935, quando a poluição dificultou a visibilidade. O Vaticano estabeleceu uma nova divisão do observatório em Tucson, Arizona, nos EUA, em 1980, e construiu seu próprio telescópio em 1987.

Apesar de as pessoas muitas vezes terem a "louca ideia" de que ciência e religião estão em conflito, a ciência é "realmente um dos nossos melhores princípios para chegar a conhecer Deus", disse.

O Ir. Consolmagno, que também atua como curador de meteoritos do Vaticano, falou no dia 3 de março na Living the Catholic Faith Conference da Arquidiocese de Denver.

Durante sua palestra, intitulada "O Verbo se fez carne", o cientista planetário explicou que os ateus modernos tendem a compreender Deus meramente como uma força que "preenche as lacunas" da nossa compreensão do universo.

"Usar Deus para preencher as lacunas do nosso conhecimento é teologicamente traiçoeiro", afirmou, porque isso minimiza Deus a apenas mais uma força dentro do universo, em vez de reconhecê-lo como a fonte da criação.

Aqueles que acreditam em Deus não devem ter medo da ciência, mas devem vê-la como uma oportunidade que Deus deu à humanidade para conhecê-lo melhor.

O Ir. Consolmagno disse acreditar em Deus "não porque ele está no fim de alguma cadeia lógica de cálculos", mas sim porque ele "experimentou o que a física e a lógica podem me mostrar mas não explicar: beleza, razão e o amor".

A principal diferença entre ele e o cientista ateu Stephen Hawking é que ele reconhece que Deus não é mais uma parte do universo que explica o inexplicável, mas sim logos e "a própria Razão".

Ele falou sobre a fé necessária para abraçar o cristianismo e disse que, embora outras religiões e filosofias mundiais possam nos dar uma visão racional do universo, "só o Evangelho pode nos dizer que a própria Razão se fez carne e habitou entre nós" na pessoa de Jesus Cristo.

A Encarnação é notável porque ela ocorreu, explicou, e também devido à forma como ela ocorreu. Ao vir ao mundo como uma criança, Deus "exerceu uma espécie de contenção sobrenatural", que, contudo, respeitou as leis da natureza.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ciência é ''um dos melhores princípios para conhecer Deus'', diz astrônomo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV