Mar Musa: mosteiro é invadido por homens armados

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A fé do Brasil dividido

    LER MAIS
  • A nova teologia do Ecoceno. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Núcleo de pesquisa da USP publica nota sobre criacionismo defendido por novo Presidente da CAPES

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Fevereiro 2012

Publicamos o comunicado de imprensa da Comunidade Monástica de Deir Mar Musa, na Síria, fundada pelo jesuíta Paolo Dall'Oglio.

A reportagem é da revista Popoli, dos jesuítas italianos, 24-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.


O que aconteceu em Deir Mar Musa el-Habasci

Na quarta-feira, 22 fevereiro, 2012, perto das 18 horas, ocorreu o que se segue: cerca de 30 homens armados – todos com o rosto coberto, exceto o comandante – invadiram o cercado do curral do mosteiro, onde se encontravam alguns empregados. Desordenaram os ambientes, perguntando pelo padre responsável e procurando armas e dinheiro. Um dos pastores foi obrigado a conduzir um grupo dos armados até uma outra ala do mosteiro, onde quatro irmãs foram detidas em uma sala, sob vigilância, justamente no momento em que se preparavam para descer para a oração.

Logo depois, alguns dos agressores se dirigiram à igreja e nela entraram. A comunidade monástica, reunida para a meditação, lembrou-lhes que o lugar é consagrado à oração e merece respeito. Os homens armados, assim, obrigaram os presentes, ameaçando-os, a se reunirem em um canto da igreja. Depois, interceptaram outras pessoas do mosteiro tratando-as brutalmente. Então, sem fazer maiores danos, procuraram, novamente sem resultado, armas e dinheiro, destruindo os instrumentos de comunicação encontrados.

Durante a agressão, o responsável pelo grupo fotografava com o seu celular. Depois de ter consentido que se retomasse oração, ordenou os presentes a permanecerem na igreja por uma hora. O superior do mosteiro encontrava-se em Damasco e não pôde regressar senão na madrugada de quinta-feira. Vale mencionar que os armados, com autoridade, declararam logo a sua intenção de não provocar dano às pessoas presentes no mosteiro e efetivamente se comportaram como prometido durante a agressão.

É óbvia a pergunta sobre a identidade do grupo armado. É impossível, neste momento, dar uma resposta segura. O que parece certo é que se tratou de homens acostumados ao uso das armas em vista de interesses materiais. Resta também sem resposta a pergunta relativa ao porquê de procurarem armas em um mosteiro que escolheu e tem difundido a não violência há tantos anos. Agradecemos a Deus pela proteção dos seus anjos e rezamos durante missa por aqueles que nos agrediram e pelas suas famílias. Apesar desse evento doloroso, não perdemos a paz nem o desejo de servir à reconciliação.

Deir Mar Musa

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mar Musa: mosteiro é invadido por homens armados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV