''O doente pode escolher quando quer dar adeus à vida'', defende Hans Küng

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Com Francisco ou fora da Igreja. O duro desabafo do presidente da CEI

    LER MAIS
  • Núcleo de pesquisa da USP publica nota sobre criacionismo defendido por novo Presidente da CAPES

    LER MAIS
  • A nova teologia do Ecoceno. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Fevereiro 2012

"Ninguém pode pôr em dúvida que Hans Küng é um teólogo católico". Abrindo o debate público organizado por ocasião da entrega do prêmio ao neovencedor e Antônio Damásio, ilustre neurocientista e membro do júri, Armando Massarenti pontualiza a vocação religiosa e de trabalho do sacerdote suíço. Que foi posta em discussão, nos últimos dias, pela Cúria de Udine, enraivecida pela passarela oferecida a Küng, ferozmente crítico do Vaticano sobre questões muito sensíveis, da contracepção à infalibilidade do papa.

A reportagem é de Licia Granello, publicada no jornal La Repubblica, 29-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Solicitado por Damásio e por Massarenti, Küng não decepcionou as expectativas das muitas pessoas que lotaram o Teatro Nuovo, reafirmando que a ética não é uma questão tão complicada, "bastam dois princípios, ou seja, tratar humanamente todos os seres humanos e não fazer aos outros o o que não se quer gostaria que se fizesse a si mesmo, mais os quatro mandamentos na base de todas as tradições religiosas: não matar, não mentir, não roubar, não abusar sexualmente".

Enquanto Damásio, contava as suas convicções de neurologista, certo de que as emoções determinam os comportamentos e de como compaixão e admiração são sentimentos fundamentais para a construção da sociedade e dos comportamentos racionais, Küng consentia: "Não é necessário que haja um conflito entre religião e ciência. Não se deve falar ciência com a Bíblia na mão... A Bíblia pode nos dizer outras coisas. Toda a realidade tem uma origem. E, apesar das grandes discussões em Cambridge sobre o Big Bang e as especulações matemáticas, para saber como e por que tudo começou devemos fazer um ato de fé, de confiança. A meu ver, é uma confiança razoável, mais do que pensar que tudo vem do nada e acaba no nada".

Mas Küng foi além. Na cidade onde morreu Eluana Englaro, as suas palavras soaram altas e fortes: "O homem tem a responsabilidade de si até o fim. Sou obrigado a esperar me tornar demente? Acredito que não. Não é uma posição ateia, porque acredito em Deus e na vida eterna. Dou a minha vida a Deus e peço que possa me despedir de um modo digno"

Fortes aplausos acompanharam as palavras de encerramento: "Autoridade significa dar limites, mas também liberdade. Quem só dá limites, faz autoritarismo, o que eu rejeito, tanto no Estado quanto na Igreja".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''O doente pode escolher quando quer dar adeus à vida'', defende Hans Küng - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV