Floresta se recupera sozinha, mas não se sofrer distúrbios

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Janeiro 2012

"O desafio é conciliar a conservação da floresta com o aumento da produção de alimentos. Assim, podemos evitar a transferência para a atmosfera dos 100 bilhões de toneladas de carbono estocados nas florestas", escreve Paulo Brando, engenheiro florestal do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 19-01-2012.

Eis o artigo.

As secas de 2005 e 2010 reduziram em 1% a 2% os estoques de carbono das florestas da Amazônia, ao alterar a mortalidade e o crescimento de árvores. Parece pouco, mas pode ser o suficiente para mudar o clima global.

Sem distúrbios subsequentes, a floresta pode recuperar todo esse carbono liberado à atmosfera. O problema é que os distúrbios na Amazônia são cada vez mais comuns.

As florestas são resistentes a secas, podendo tolerar períodos de até quatro meses sem chuva. Mas há um limite para tal resistência. Todos que cuidam de um jardim sabem: sem água, as plantas morrem. Na Amazônia, o desafio é definirmos o que é uma falta d'água "perigosa".

De acordo com o artigo de Eric Davidson, alterações como a redução das chuvas poderiam transformar parte das florestas em uma vegetação mais baixa, menos diversa e mais inflamável. A redução do desmatamento, que causa secas, diminuiria o risco de tais transformações.

Infelizmente, as secas severas não ocorrem sozinhas, sendo acompanhadas por outros distúrbios, como o fogo.

Nas secas, áreas superiores às desmatadas podem queimar, principalmente se já foram exploradas pela madeira de forma não planejada. Ao contrário da seca, o fogo pode ser controlado localmente. Podemos ter o carvão e o álcool, mas sem um fósforo ninguém faz o churrasco.

Na Amazônia, a floresta vulnerável ao fogo não queimará sem uma fonte de ignição, que muitas vezes está associada ao desmatamento, manejo de pastagens ou incêndio intencional.

Talvez o ponto mais interessante do artigo seja a análise dos fatores que alteram o clima e a vegetação da Amazônia. O desafio é usar essas informações para conciliar a conservação da floresta com o aumento da produção de alimentos. Assim, podemos evitar a transferência para a atmosfera dos 100 bilhões de toneladas de carbono estocados nas florestas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Floresta se recupera sozinha, mas não se sofrer distúrbios - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV