Antropólogos questionam campanha que criminaliza mapuches

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • “Segurança alimentar não basta: o alimento exige uma série de direitos”

    LER MAIS
  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Janeiro 2012

O presidente de Chile, Sebastián Piñera, responsabilizou indígenas mapuches pelo incêndio florestal em Araucanía, a 700 Km ao sul da capital, que matou sete brigadistas na quinta-feira, 12. Disse que se tratava de ação terrorista.

A informação é da Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 16-01-2012.

A direção do Colégio de Antropólogos do Chile lamentou a campanha contra os mapuches e congressistas da oposição prometem levar o caso para a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Um terço do povo mapuche vive na região de Araucanía. Bastaria ouvir bombeiros, prefeitos da região e a Confederação dos Trabalhadores Florestais para constatar que empresários florestais e servidores públicos mentem sobre as origens do incêndio, alegam os antropólogos.

A origem do incêndio, dizem os antropólogos, deve-se à preparação do solo para a elaboração de carvão. Por causa das altas temperaturas e o vento, o fogo espalhou-se pela área.

O Colégio de Antropólogos lamentou que o governo de Piñera dê continuidade à proteção do empresariado que aspira às terras mapuches. Já a comunidade indígena é vista como uma crescente ameaça ao crescimento produtivo industrial e um atentado à unidade nacional, na medida em que lutam pela defesa de suas terras, autonomia política e autodeterminação.

Em carta dirigida à Piñera, o Colégio de Antropólogos lembra que o Estado deve respeitar os direitos e as garantias estabelecidos na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, assinada pelo Chile.

Congressistas da oposição anunciaram que vão pedir à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que avalie a lei antiterrorista, invocada pelo governo chileno para sancionar o incêndio e acusar os mapuches.

O presidente do Senado, Guido Girardi, do Partido pela Democracia, criticou o governo por violar o direito e presunção de inocência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Antropólogos questionam campanha que criminaliza mapuches - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV