Dia Mundial dos Imigrantes e Refugiados: “Não são números, mas pessoas”, afirma Bento XVI

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 16 Janeiro 2012

O papa Bento XVI manifestou-se, neste domingo, sobre o Dia Mundial dos Imigrantes e Refugiados: "Não são números, mas pessoas. São homens e mulheres. Crianças e anciãos que procuram um lugar onde viver em paz". "Acertou em cheio", opina o jurista Wálter Maierovitch. "Que sirva ao Brasil, no trato com os nossos irmãos haitianos", diz ele em sua coluna no Terra Magazine, 15-01-2012.

Eis o comentário.

Hoje no período da manhã, a berniana praça de São Pedro, no estado do Vaticano, ficou repleta. Apesar do frio, milhares de fiéis acompanharam a manifestação do papa Ratzinger no Dia Mundial dos Imigrantes e Refugiados.

Depois da tradicional recitação do Angelus, feita da janela do quarto do papa de turno, Ratzinger leu a sua mensagem: - Não são números, mas pessoas. São homens e mulheres. Crianças e anciãos que procuram um lugar onde viver em paz.

Pano rápido. O papa Ratzinger, acusado de ser leniente com padres pedófilos ao tempo que dirigia o antigo e de triste memória Santo Ofício, acertou, desta vez, em cheio e fez um pronunciamento carregado de valores cristãos.

Que sirva ao Brasil, no trato com os nossos irmãos haitianos. E que não imitemos a França, quando da Primavera Árabe e diante dos barcos que chegaram à italiana ilha de Lampedusa.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dia Mundial dos Imigrantes e Refugiados: “Não são números, mas pessoas”, afirma Bento XVI - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV