A nova cara do povo da rua

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS
  • Alemanha. 76 irmãs franciscanas de um mesmo mosteiro testam positivo ao coronavírus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 30 Julho 2012

 

Aos poucos, o mundo das drogas modifica o perfil dos espaços de mendicância e coloca em risco o mais vulnerável dos grupos sociais.

O morador de rua Edson, de 35 anos, trabalha como pedreiro. Desde 1998 dorme na Central. Sofri mais discriminação por ser negro do que por ser morador de rua. Tem muita gente que não sabe que vivo aqui. Se souberem, me demitem. Foto: Marcelo Andrade / Gazeta do Povo

A reportagem é de José Carlos Fernandes e publicada pelo jornal Gazeta do Povo, 29-07-2012.

“Oi moço, vamos jantar?”, pergunta a educadora Vilma Terezinha da Silva, 52 anos, ao homem alcoolizado, caído num gramado do Capão da Imbuia, em Curitiba. Chove. Ele está em “situação de risco”, como dizem os servidores da Fundação da Ação Social, a FAS, quando precisam soar o alerta. Mesmo que o atendido resista em ser levado para a Central de Resgate Social, é preciso gastar até a última gota de saliva. “Ele pode ter uma hipotermia”, informa Vilma, oferecendo o braço para levantá-lo. Vinte minutos depois, consegue.

À luz, vê-se que tem boas roupas, usa óculos de grau e que ainda não faz parte de fato dos 2.776 curitibanos que vivem na mendicância, como contabiliza pesquisa do Ministério do Desenvolvimento Social publicada em 2008. O número é motivo de contenda. Para Leonildo José Monteiro Filho, presidente do Movimento Nacional da População de Rua, seriam 5 mil. Para a prefeitura, 3 mil, mas apenas 1,4 mil em estado crônico, sendo que 98% destes já passaram pela assistência alguma vez e estão devidamente cadastrados. “Conhecemos quase todos pelo nome”, orgulham-se os funcionários da casa. Quase todos.

“Abrimos três, quatro cadastros novos por dia”, calcula a assistente social Neli Maria Schneider Pudelco, 55 anos, uma das gestoras do serviço, apontando o novo perfil da mendicância na capital. Se antes os 250 servidores do abrigo municipal tinham vínculo garantido com a sua clientela, conquistada anos a fio, agora precisam reaprender a lidar com os rostos que surgem, com outros problemas. O homem recolhido no Capão é uma amostra da reviravolta.

Os recém-chegados estão fora do padrão clássico dos pobres em farrapos. Chegam a provocar incredulidade. São mais jovens, bem trajados, têm endereço, mas resistem em dá-lo, indicativo de que podem estar protegendo sua família de algum traficante com ganas de vingança por dívida, como se sabe, paga com sangue. Eis o ponto – o crime chegou à linha mais frágil da sociedade e coloca a faca no peito até da ação social.

Crônicos e agudos

Há uma parcela da mendicância que segue o rumo de sempre. São os chamados “crônicos”. Para eles, as mudanças são lentas. É comum encontrar nessa fatia quem frequente o albergue da prefeitura há 10, 15 anos ou até mais. Estima-se que 40% dos 300 leitos do ocupados por essa turma, apelidada de “bate e volta”. São cordiais – abraçam os educadores, têm mesa cativa no refeitório e quarto marcado no segundo andar.

Seus problemas? Casos de álcool, rejeição familiar, conformismo, sofrimento mental. Muitos se julgam velhos demais para recomeçar. “Tenho 35 anos. Durmo aqui desde 1998, mas quem me emprega não sabe. Fui mais discriminado por ser negro do que por ser morador de rua”, conta “João”, crônico assumido. Aírton Gonçalves, 46 anos, 11 de albergue, montava exposições da Fundação Cultural de Curitiba. Seu vínculo com a arte é flagrante, mas agora a mostra é no Terminal Guadalupe, onde vende alguns desenhos feitos de punho. “Acho que ele está apático”, diz uma assistente, diante do que chama de desperdício de talentos.

Quanto aos “agudos”, somam 60% dos frequentadores da Central, uma população flutuante, que aporta ali em troca de um banho, roupa limpa e remédio para as feridas. Estão dando um tempo. Satisfeitas as necessidades, podem demorar meses para voltar. É em meio a esse núcleo, digamos, mais dinâmico, que está abrigada uma frente de hóspedes que muda o perfil do morador de rua, botando por terra a pesquisa da FAS feita junto aos usuários, há quatro anos.

Naquela ocasião, havia na clientela do local 7% de não alfabetizados; 14% com ensino médio; 75% com ensino fundamental. A proporção entre usuários de álcool e os de drogas era empatada. Hoje, esses dados parecem ficção científica. Os educadores estão perplexos diante da quantidade cada vez maior de moradores de rua jovens e com maior exposição à escola. São articulados. Com suas jaquetas e aparelhos nos dentes, eles se destacam nas filas tristes de gente deserdada que se forma ali todos os dias, depois das 5 da tarde, à espera de uma vaga para comer, banhar e dormir.

Suas histórias até podem ser tristes feito as do resto, mas têm sabor de faroeste, embaladas por drogas pesadas, como o crack. As variações para o tema são muitas: o “mendigo” que chega agora aos cadastros pode ter dívidas no crime, estar em disfarces, ser usado por traficantes e até ser um expulso das Unidades Paraná Seguro, as UPSs, instaladas em seis bairros da cidade.

“Estou com saudade de encontrar um mendigo romântico, como aqueles do cinema”, brinca a educadora carioca Edna Marinho, 42 anos. Ela já cruzou com físicos, engenheiros e um homem que bem poderia ter habitado as cavernas. Apelidou-o de Uga-Uga, talvez para amenizar o impacto de ter de enfrentar alguém que ameaçava o atendimento com um pedaço de ripa. Por ora, contudo, é impossível dizer quantos são esses neófitos no mundo da mendicância, até porque não estão sós. Eles vêm acompanhados de outras comunidades incomuns, como a dos gays, lésbicas e transexuais lançados à sarjeta.

Não é difícil perceber as mudanças que a tribo das drogas trouxe ao cenário. Há quem se preocupe. “Esse lugar se tornou uma bomba prestes a explodir”, compara Edson Luiz de Souza, da coordenação do Movimento Nacional da População de Rua. Ele teme por um espaço que hoje abriga não mais centenas de homens e mulheres igualados na pobreza extrema, mas também os espoliados pela violência. É o encontro de dois mundos.

Impressões recolhidas pela reportagem no mundo da mendicância:

1 - Organização – Vigora entre os moradores de rua a “lei do mais forte”. Quem tem Bolsa Família ou “é bom de esmola”, por exemplo, pode fazer valer sua vontade. Há também os líderes naturais, que tendem a agregar pessoas. O conflito entre os grupos é comum.

2 - Tribalização – O povo da rua está tão tribalizado quanto a sociedade em geral. O albergue da FAS reflete essa divisão. Existem as mesas e quartos dos gays, lésbicas e transexuais; o gueto dos que têm transtorno mental; e outros.

3 - Desafios – O atendimento maciço de moradores de rua no Centro de Curitiba traz um efeito colateral. Moradores de rua socorridos em outros bairros acabam ficando na região central, atraídos pelas esmolas e por alimentação mais farta. Prefeitura estuda criar novos polos, promovendo a integração nos lugares de origem.

4 - Detalhes – Os hóspedes do albergue da prefeitura auxiliam a encontrar desaparecidos e formam uma “agência de emprego” informal. O local é repleto de cartazes com oportunidades e de famílias em busca de parentes.

O mais perigoso dos mundos

O Movimento Nacional da População de Rua estima que 142 brasileiros em estado de mendicância tenham sido assassinados em 2011. De acordo com líderes da ONG, esse dado está longe da realidade. “A maioria dos casos não é notificada”, contesta o líder Edson Luiz de Souza. Além do mais, diz ele, havendo endereços de familiares em algum cadastro de albergue, a vítima deixa de ser identificada como morador de rua.

Quando se trata de agressão não seguida de morte, os índices embaralham ainda mais. Por um motivo curioso: uma das crenças que rondam o mundo da pobreza extrema é que os mendigos brigam entre si, na disputa por território ou por bobagens motivadas pelo uso de álcool e drogas. Resumo da ópera: cabeças rachadas não são levadas a sério pelas autoridades, acabando no “deixa disso” e no ambulatório da Central de Resgate Social.

Para os grupos de direitos humanos, autoridades fazem corpo mole na hora de investigar esses ataques, preferindo a versão de que não passa de briga de mendigos. Apenas neste mês, em Curitiba, foram dois casos de agressão a moradores de rua, um com faca, outro com fogo, em menos de cinco horas entre um e outro. “Difícil sustentar que não houve uma relação entre eles”, defende Edson.

Entre os que trabalham com a população de rua, a impressão é diferente. Os cinco educadores sociais consultados pela reportagem entendem que a população peca mais pela indiferença do que pela violência. O senão fica por conta do avizinhamento cada vez maior do mundo do crime com o da mendicância, fazendo da marquise não só o pior, como o mais perigoso dos mundos.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A nova cara do povo da rua - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV