As mulheres no sacerdócio da Igreja?

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Caroline | 05 Dezembro 2013

A relação entre a questão das mulheres na Igreja, da ordenação sacerdotal e das próprias relações de poder é o tema do artigo do teólogo espanhol José María Castillo, publicado em seu blog Teología Sin Censura, 03-12-2013. A tradução é do Cepat.

Fonte: http://goo.gl/OMkL4D

Eis o artigo.

Compreendo que há muitas mulheres decepcionadas com a recente exortação do papa Francisco. Do mesmo modo que, sem dúvida, outras se sentirão mais seguras frente ao que disse este papa inovador. Meu ponto de vista representa pouco neste e entre tantos outros assuntos. Mas, mesmo que seja muito pouco, quero deixar claro, desde já, que estou de acordo com o que disse Francisco sobre a mulher na exortação “Evangelii Gaudium”.

Deve-se ter em conta que o próprio papa, nesta exortação (que não é uma encíclica e menos ainda uma definição dogmática), disse aos bispos e aos teólogos que em relação ao assunto concreto da ordenação sacerdotal das mulheres “há um grande desafio”. E, por isso, disse aos entendidos nestes temas que “poderiam ajudar a reconhecer melhor o que isto implica em relação ao possível lugar da mulher na tomada de decisões importantes, nos diversos ambitos da Igreja” (nº 104). O assunto, portanto, no que se refere à ordenação sacerdotal de mulheres, não está fechado, mas está em um processo de construção, coisa que tentarei explicar de acordo com meu alcance em relação a este tema.

O papa Francisco insiste na necessidade de que a Igreja retorne à vivência integral do Evangelho. Pois bem, se isto for realmente levado a sério, vamos “a sério” por em prática o que disse o papa. E, neste caso, o que encontramos no Evangelho é que Jesus não ordenou ninguém como sacerdote. A nenhuma mulher, é claro. Porém, tampouco aos homens, nem sequer os apóstolos - como se costuma dizer, com mais ignorância do que conhecimento de causa. De “sacerdotes” não se falava na Igreja até o século III. E sobre a “ordem” e “ordenação” deveríamos saber que o “ordo” nem pertence à linguagem bíblica, mas é uma terminologia e uma instituição que foi tomada da organização da sociedade romana. E isso também foi feito na entrada do século III.

Não me detenho em outras explicações históricas. Para uma informação de urgência, como é o caso, meu ponto de vista é que se Jesus não pensou em sacerdotes, mas, pelo contrário, teve conflitos mortais com eles, seria melhor para a Igreja aumentar o peso do clero e fortalecer uma instituição que já se apropriou do poder e dos privilégios, em detrimento de todos os demais crentes em Jesus? Vamos empoderar as mulheres nesta estrutura que já está se extinguindo, visto que a cada dia há menos homens que queiram fazer parte deste coletivo? Se Jesus não pensou em clérigos ou em sacerdotes, nós iremos mantê-los? E vamos fortalecê-los com sacerdotisas?

Então, uma Igreja sem clero? Talvez, sim. Mas como? Jesus escolheu doze apóstolos. Contudo, de acordo com o cristianismo nascente, aquilo tinha a finalidade de que aqueles homens fossem testemunhas da ressurreição de Jesus. Por isso, para Judas se buscou um substituto (Matias). Mas, depois, na medida em que foram morrendo os demais apóstolos, para nenhum outro se buscou substitutos. O Evangelho fala de discípulos exemplares, seguidores que tinham que escolher viver como Jesus viveu acima de qualquer outra coisa, inclusive, do enterro do próprio pai. Mas, eram pessoas com poderes e privilégios? De nenhuma maneira. Jesus os queria como “os últimos”, os “serventes” e “escravos” de todos. Isto é o que diz o Evangelho. O restante foi inventado e acrescentado pelos mortais. Para viverem disto. Queremos viver como Jesus viveu? E quem impede para as mulheres disso? Jesus não queria pessoas com poderes, mas seguidores fiéis de sua forma de entender a vida.

E o que fazemos com os sacramentos? Que cada comunidade decida, em cada caso, quem coordena, organiza ou gerencia; como se faz em todas as instituições e grupos humanos. E o que disse o Concílio de Trento em sua sessão VII? Antes de 1980 demonstrei, citando em detalhes as Atas do Concílio (“Símbolos de liberdade”, 1981, cap. 8), que o que se afirma nesta sessão não é uma doutrina de fé. Pode-se pensar de outra maneira e fazer as coisas de forma distinta. O que importa não é quem tem este ou outro poder. O que nos importa de verdade é viver como viveu Jesus. E sobre o tema do aborto, falarei outro dia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As mulheres no sacerdócio da Igreja? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV