Francisco. A Argentina pode esperar

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Intervenção nos jesuítas: quando Bergoglio impediu Bertone

    LER MAIS
  • Papa Francisco pede que bispos ensinem os fiéis a discernir nas eleições, na política

    LER MAIS
  • Antonio Spadaro explica a teologia de Francisco ... e desmonta a religiosidade da extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 28 Outubro 2013

A Argentina pode esperar. Após a eleição de João Paulo II, passaram-se oito meses antes que o Pontífice polonês voltasse à sua pátria. Os meses, devido à Jornada Mundial da Juventude que já havia sido programada por seu predecessor, foram bem menos para Bento XVI, que voltou à sua pátria depois da eleição durante o verão de 2005. Francisco, ao contrário, não parece ter pressa para voltar ao seu país. Na manhã deste sábado, ao receber um grupo de ex-alunos jesuítas, o Papa falou sobre a data de uma possível viagem à América Latina. Mas dentro de três anos.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada no sítio Vatican Insider, 26-10-2013. A tradução é de André Langer.

“Não sei quando programaremos uma viagem ao seu país – disse Bergoglio –, mas, com certeza, não antes de 2016. Uma coisa é certa: caso visite a Argentina, terei que visitar também o Chile e o Uruguai, os três países juntos. Assim nos encontraremos por lá”.

Francisco brincou com os ex-alunos uruguaios: “Me trazem tantas lembranças de lá! A única que me estranha é que não trouxeram chimarrão. Não se animaram? Aí faltou-lhes a veia uruguaia. Porque quando veio o Presidente de vocês tomamos mate. Bom, obrigado assim mesmo”.

O Papa, ao final, também fez uma alusão à enorme quantidade de trabalho que tem: “agradeço-lhes novamente por tudo, e peço-lhes um favor, que rezem por mim, eh? Porque aqui as pessoas são muito boas, são bons companheiros e todos trabalham juntos, mas o trabalho é muito, e não se dá trégua. Rezem por mim, pelos colaboradores, para que possamos seguir em frente. Eh? Obrigado, muito obrigado”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco. A Argentina pode esperar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV