''Uma visita história para a nossa ilha''. Entrevista com a prefeita de Lampedusa

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Julho 2013

"É realmente difícil encontrar-se tão em sintonia com o pensamento de uma pessoa. A frase da presidente da Câmara [italiana], Boldrini, 'virar as costas para milhares de migrantes só provocou danos', me tocou profundamente: por outro lado, Laura conhece bem a nossa ilha e a emergência humanitária que vive. Eu não esperava nada menos dela". Quem fala é a prefeita de Lampedusa, Giusi Nicolini, que chama a terceira posição do Estado de "Laura", porque "ela dedicou muito tempo da sua vida anterior a este pequeno pedaço da África italiana".

A reportagem é de Emanuela Minucci, publicada no jornal La Stampa, 05-07-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Prefeita, não se pode dizer que nestes dias, com a escolha do Papa Francisco de ir a Lampedusa, a sua ilha não está no centro de uma atenção merecida.

É uma oportunidade única, Boldrini disse muito bem: o papa na nossa ilha é um tapa no egoísmo. E eu espero que essa escolha solene e perturbadora também consiga mudar uma mentalidade midiática começando pelo uso das palavras.

Onde nós erramos?

Em vez de desembarques, se deveria falar de resgates: as pessoas que colocam a própria vida em jogo para chegar até aqui são náufragos que têm o direito de asilo, não clandestinos. Erri De Luca tem razão: os poderes vendem um vocabulário falso: quando os nossos governantes falam de ondas migratórias, eles usam um vocábulo abusivo, onda. Pelo fato de se tratar de ondas, a própria palavra sugere que uma terra firme deve ser defendida das ondas.

O que a senhora vai dizer ao Papa Francisco? Tudo pronto para a visita?

Eu vou lhe dizer um "obrigada" tão grande a ponto de não caber no Mediterrâneo, e nós fizemos o possível para acolhê-lo da melhor forma. Lampedusa sabe o que significa acolher.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Uma visita história para a nossa ilha''. Entrevista com a prefeita de Lampedusa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV